Colégios militares não entrarão no corte de verbas, diz porta-voz

Segundo Otávio Rêgo Barros, por serem administradas pelas Forças Armadas, tais instituições não sofrerão com a decisão do governo federal

MARCOS CORRÊA/PR

Metrópoles

O porta-voz da presidência, Otávio Rêgo Barros, afirmou, nesta segunda-feira (06/05/19), que colégios militares não serão atingidos pelo corte de 30% de verbas para universidades e instituições federais do ministério da Educação. Segundo ele, os colégios são administrados pelas Forças Armadas e, por isso, não sofrerão com a decisão.

Nesta segunda-feira (06/05/19), Bolsonaro esteve no Rio de Janeiro onde participou, pela manhã, da celebração dos 130 anos do Colégio Militar do Rio de Janeiro (foto em destaque).

De acordo com Rêgo Barros, a medida do governo não se trata de corte de gastos, mas de uma “inversão” nos investimentos. “Na verdade é uma inversão da pirâmide. O presidente quer privilegiar o ensino básico, fundamental e o universitário, que vai ao encontro as suas propostas feitas durante a campanha presidencial”, afirmou.

No intuito de reforçar essa diretriz governamental, o ministro da educação, Abraham Weintraub, organizou, nesta segunda (06/05/19), a segunda reunião de avaliação do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) para “valorizar a educação” e “privilegiar” as séries fundamentais. 

Ainda nesta segunda, o Ministério da Educação anunciou a abertura das inscrições do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), que vai até o dia 17 de maio, com taxa de R$ 85,00.

Na coletiva com a imprensa, o porta-voz citou a bíblia e comparou o ensino básico com a “pedra angular” capaz de segurar qualquer construção. “O ensino básico e o fundamental deverão ser priorizados para que tenhamos uma casa sustentável e para que, no ensino, não haja divergências”, completou.

Segurança pública

Ainda nesta segunda, o presidente Jair Bolsonaro anunciou que vai abrir 2.841 vagas no sistema prisional brasileiro no primeiro trimestre de 2019 para os estados de São Paulo, Minas Gerais e Santa Catarina. a Ação faz parte do slogan “prender e deixar preso”, utilizado em campanha eleitoral do presidente.

Com o projeto, o governo deve gastar R$ 82 bilhões em recursos e, destes, R$ 70 milhões serão repassados diretamente aos estados, por meio do Fundo Penitenciário Nacional. Segundo o porta-voz da presidência, Otávio Rêgo Barros, a meta do governo é criar, ainda este ano, cerca de 20 mil novas vagas em unidades prisionais, a fim de minimizar impactos da superlotação.

Ainda nesta segunda, o ministro da Justiça, Sergio Moro, entregou o selo resgata a 198 empresas de 15 estados brasileiros, com o intuito de homenagear empresas que contratam presos regressos que cumprem pena alternativa.

No evento, Moro argumentou que, embora as penas tenham caráter privativo, não se pode “perder a fé” na remissão das pessoas. “O principal desafio é vencer a barreira do preconceito de pensar que o preso é alguém que tem que estar absolutamente afastado de qualquer especie de convívio social”, disse.

Olavo x Santos Cruz

Sobre a briga instaurada entre o escritor Olavo de Carvalho, mentor de Bolsonaro, e o secretário-geral do governo, o ministro Santos Cruz, Rêgo Barros procurou minimizar o episódio, afirmando que, de acordo com Bolsonaro, declarações individuais publicadas são de responsabilidade dos que as emitem.

Venezuela

Com a perspectiva de continuar com a ajuda humanitária na Venezuela, o chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, o ministro do Gabinete de Segurança institucional, Augusto Heleno, e o ministro da Cidadania, Osmar Terra, participaram da 9ª reunião do comitê de assistência emergencial, que visa estudar o acolhimento de pessoas em vulnerabilidade social.

Dessa forma, o governo se manifestou que continuará a ajudar o país e a apoiar o autoproclamado presidente interino venezuelano, Juan Guaidó.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe

Carreata da Frente Popular lota as ruas de Santa Cruz do Capibaribe em apoio à campanha de Paulo Câmara