Número de roubos em fevereiro de 2019 foi o menor em 46 meses


As estatísticas da Secretaria de Defesa Social de Pernambuco (SDS) apontam que, no mês passado, os Crimes Violentos contra o Patrimônio (CVPs) caíram 25,41% em relação ao mesmo mês de 2018. Nesse que foi o 18° mês consecutivo de redução, o quantitativo de queixas foi o mais baixo desde abril de 2015. Todas as regiões do Estado apresentaram retração dessa modalidade criminosa

Pelo 18º mês seguido, o número de roubos em Pernambuco é menor do que o registrado no mesmo mês do ano anterior. Essa série histórica descendente foi iniciada em setembro de 2017 e continuou sua tendência no mês passado, com redução de 25,41% em comparação a fevereiro de 2018. Em números absolutos, a queda foi de 8.473 para 6.320 ocorrências, o que significa menos 2.153 casos de violência visando a subtração de bens. Fevereiro de 2019 só não teve menos CVPs que abril de 2015 (6.126), tornando-se o de maior recuo dessa modalidade criminosa em 46 meses (ou 3 anos e 10 meses). No acumulado do primeiro bimestre de 2019, em contraste com o mesmo período de 2018, a diferença foi de 4.059 casos a menos neste ano.
AGRESTE LIDERA A QUEDA - O declínio nos crimes violentos patrimoniais se deu em todas as regiões do Estado, do litoral ao Sertão.  O Agreste liderou o ranking de redução no comparativo, com 37,15% de queda: foi de 1.661 registros, em fevereiro de 2018, para 1.044 no mês passado. A Área Integrada de Segurança 14 (AIS 14), que tem sede em Caruaru, atingiu o menor patamar dos últimos 53 meses, com 480 ocorrências de CVP. Outra AIS com destaque, também no Agreste, foi a AIS 15, sediada no município de Belo Jardim. Com 49 casos, chegou ao mais baixo número em 52 meses.
A segunda região do Estado com maior redução nos CVPs foi o Sertão, com -27,99% (de 493 para 355). A AIS 25, cuja sede é Cabrobó, por exemplo, teve 14 ocorrências, o mais baixo número em 46 meses. O Sertão foi seguido pela Região Metropolitana do Recife (exceto Capital), com -22,44% (de 2.576 para 1.998). Na RMR, observou-se que a AIS 10 (Cabo de Santo Agostinho) reduziu os crimes violentos patrimoniais ao menor patamar desde novembro de 2014. A Capital de Pernambuco também ajudou a puxar a retração desse tipo de criminalidade verificada em todo o Estado. Com -22,25%, o Recife passou de 2.998 roubos em fevereiro de 2018 para 2.331 no mesmo mês do ano corrente. Na Área Integrada de Segurança 5, composta por 22 bairros da Zona Oeste do Recife, a exemplo de Casa Forte, Casa Amarela, Beberibe, Morro da Conceição, Alto José do Pinho e Nova Descoberta, as 275 ocorrências representam o menor quantitativo de queixas em 3 anos e 10 meses.
O secretário de Defesa Social de Pernambuco, Antonio de Pádua, destaca que uma das estratégias de combate aos CVPs com êxito na prevenção dos assaltos e furtos são as operações permanentes instaladas no Centro do Recife, na Zona Sul da Capital e ao longo da Avenida Agamenon Magalhães. “Somente a Operação Boa Viagem conseguiu reduzir em 26,7% os assaltos nesse bairro da Zona Sul. Com a Operação Cerne, que abrange os bairros do Centro conhecidos pelo comércio e movimento intenso, a queda foi de 25,5%. E temos a Operação Agamenon Magalhães, que nesse mesmo período registrou -18,7% CVPs. Mais que números, isso significa pessoas poupadas da violência, assim como a retomada da sensação de segurança pela população. Nossos desafios ainda são enormes e, por isso, as forças de segurança estão trabalhando para reduzir, dia a dia, o campo da criminalidade na vida social”, avalia o secretário.
Até a região com o menor percentual de redução de roubos superou os 20% de queda na mesma metodologia de comparação. Foi o caso da Zona da Mata, com -20,54% de diminuição nas ocorrências (caindo de 745 para 592) entre os dois últimos fevereiros. As áreas integradas de Palmares (AIS 13) e de Vitória de Santo Antão (AIS 12) alcançaram seus patamares mais reduzidos dos últimos 43 e 39 meses, respectivamente. Na AIS 13, as 125 ocorrências de fevereiro  são as mais baixas desde junho de 2015. Já em Vitória, foram 224 casos, estatística que, voltando na linha do tempo, só ficou acima das notificações feitas à Polícia em novembro de 2015.
ROUBO DE CELULAR EM DECLÍNIO – No segundo mês de 2019, a quantidade de celulares roubados continuou em queda. Na comparação com fevereiro de 2018, foram -24,4% queixas a respeito dessa modalidade de CVP. As ocorrências saíram de 3.267 para 2.470, ou seja, 797 aparelhos deixaram de ser subtraídos por bandidos. Além disso, com a atuação do programa Alerta Celular, 494 telefones foram recuperados em fevereiro deste ano para devolução aos verdadeiros donos. Implantado pela SDS em março de 2017, o Alerta Celular, um projeto pioneiro de Pernambuco que vem inspirando similares em outros estados da federação, já colaborou com o resgate de 7.350 desses equipamentos, a exemplo dos smartphones.
“A repressão aos roubos e furtos de celulares só tem possibilidade de obter êxito se a população colaborar de duas formas. Uma delas é fazer o cadastro do seu aparelho no site da SDS (https://www.alertacelular.sds.pe.gov.br/#/login), informando o código IMEI, endereço e meios de contato, para que as polícias possam associar os equipamentos apreendidos aos verdadeiros proprietários e efetivar a devolução. A outra forma, ainda mais importante, é jamais adquirir produtos sem conhecer a procedência, sem nota fiscal. A receptação de produto roubado, além de crime, ajuda a tornar aquecido esse mercado ilegal mantido por meio de atos de violência contra o cidadão”, explica Antonio de Pádua.
BAIXAM OS ASSALTOS A ÔNIBUS – Outro tipo de CVP que vem se enfraquecendo é o roubo em transporte coletivo. Foi constatada uma redução de 16% em fevereiro deste ano, passando de 75 casos no mesmo mês de 2018 para 63 este ano. No acumulado do ano (janeiro e fevereiro), essa modalidade criminosa decresceu em 20,9%, passando de 134, no primeiro bimestre do ano passado, para 106 em 2019. De 1º de janeiro até o final de fevereiro deste ano, o trabalho da Força-Tarefa Coletivos colaborou com a prisão de 28 praticantes de investidas criminosas a ônibus e outros veículos do transporte público de passageiros.
CRIMES CONTRA INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS CAEM DOIS TERÇOS – Quanto aos crimes violentos consumados contra bancos, caixas eletrônicos e carros de transporte de valores, a retração continua significativa no contraste entre meses equivalentes. Foram -67% no segundo mês deste ano, saindo de seis casos em fevereiro de 2018 para dois nesse intervalo em 2019. Nos dois primeiros meses de 2019, a Força-Tarefa Bancos capturou 11 pessoas com atuação em quadrilhas especializadas nessa modalidade de crime.
MENOS VEÍCULOS E CARGAS ROUBADAS – Em fevereiro de 2018, vítimas de roubo de veículos tinham relatado às autoridades policiais 1.301 casos desse tipo de CVP. No mesmo mês em 2019, foram 957 os registros, isto é, -26,44%. De maneira semelhante, os crimes violentos com o objetivo de subtrair cargas apresentaram retração de 21,05%, uma vez que as ocorrências decresceram de 38 para 30.
PRODUTIVIDADE POLICIAL – As polícias de Pernambuco já retiraram de circulação, nos dois meses iniciais de 2019, 1.187 armas. Além dessas apreensões, nesse mesmo período efetuaram-se 5.863 prisões em flagrante e a apreensão de 929 crianças e adolescentes que cometeram ato infracional. Em 1.054 ocorrências, os órgãos operativos vinculados à SDS atuaram em repressão ao tráfico de drogas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MENDONÇA FILHO VOLTA A SER ESCRACHADO: ‘XÔ, GOLPISTA’

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe