Entidades sindicais vão à Justiça contra contribuição facultativa

Força Sindical e UGT argumentam que medida provisória do governo Bolsonaro é inconstitucional e 
interfere na organização dos trabalhadores

ROVENA ROSA/AGÊNCIA BRASIL

ISABELLA MACEDO
Metróploes

A Força Sindical e a União Geral dos Trabalhadores (UGT) prometem levar à Justiça manifestações pela revogação da Medida Provisória (MP) 873/2019, editada pelo governo federal nesta semana. A nova regra determina que as contribuições sindicais não poderão mais ser descontadas dos salários dos trabalhadores. Agora, os impostos sindicais devem ser pagos exclusivamente por boletos.

A nova regra – assinada pelo presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), e pelo ministro da Economia, Paulo Guedes – foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União (DOU) nessa sexta-feira (1º/3). As medidas provisórias começam a valer assim que publicadas, mas precisam ter aval do Congresso em até 120 dias ou perdem a validade.

A Força Sindical classificou a MP como “AI-5 sindical” e já estuda questionar o texto no Supremo Tribunal Federal (STF). “A nossa entidade está, em caráter de urgência, estudando as medidas e estratégias jurídicas a serem adotadas perante o STF”, diz nota divulgada pela entidade.

O presidente da Força Sindical, Miguel Torres, afirmou que o texto fere o princípio de liberdade sindical previsto na Constituição. Para ele, a MP é uma interferência estatal em organizações sindicais.

Já para a UGT, que também promete acionar a Justiça, a iniciativa é um “golpe constitucional”. A entidade criticou o fato de a MP ter sido publicada sem alarde às vésperas do Carnaval.

“A Medida Provisória 873, publicada no escurinho do Carnaval, altera as regras da constituição sindical e é inconstitucional porque fere o artigo número 8 da Constituição Federal ao promover interferência na organização sindical brasileira”, diz a nota do presidente da UGT, Ricardo Patah.

Briga no Congresso

“A UGT vai entrar na Justiça contra esse absurdo e a nossa entidade vai discutir o assunto com deputados e senadores, no Congresso, para que haja respeito às negociações coletivas e à Constituição brasileira”, afirma o comunicado.

Para a entidade, a medida contraria orientação da Organização Internacional do Trabalho (OIT) que garante a livre negociação. “Também é irregular tratar o tema por meio de MP, pois, claramente, não é matéria de urgência e relevância”, diz a nota. A mudança ocorre no momento em que entidades se armam para brigar no Congresso contra a proposta de reforma da Previdência.

“Somos favoráveis ao diálogo com o governo, mas entendemos que essa e outras medidas são uma escalada para eliminar os trabalhadores ou suas organizações, uma das colunas da democracia”, critica a UGT.

Novas regras

A reforma trabalhista, aprovada em 2017, acabou com a obrigatoriedade da contribuição sindical. Desde então, os funcionários precisam manifestar desejo em contribuir com seu sindicato, valor que era descontado diretamente da folha de pagamento.

A MP publicada na sexta (1º) reforça o caráter facultativo da contribuição sindical. Em sua conta no Twitter, o secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, explicou que a medida é necessária devido ao “ativismo judiciário, que tem contraditado o Legislativo e permitido a cobrança”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe

Carreata da Frente Popular lota as ruas de Santa Cruz do Capibaribe em apoio à campanha de Paulo Câmara