"Colaborador tentou suicídio após comentário de Carlos Bolsonaro", revela Bebianno







"Carlos Bolsonaro tem nível de agressividade acima do normal. No Rio de Janeiro ele é conhecido como destruidor de reputações". Ex-ministro Gustavo Bebianno (PSL) dá primeira entrevista após a demissão e conta o que sabe sobre o filho do presidente

























O ex-ministro Gustavo Bebianno (PSL) falou pela primeira vez à imprensa desde que foi demitido nesta segunda-feira (18) pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Bebianno foi entrevistado pela Rádio Jovem Pan na tarde desta terça-feira (19). A entrevista ocorreu depois que a revista Veja divulgou os áudios entre ele e o presidente (ouça aqui).

Carlos Bolsonaro foi apontado por Bebianno como o responsável por sua demissão. “Fui demitido pelo Carlos Bolsonaro, que tem um nível de agressividade acima do normal. No Rio de Janeiro ele é conhecido como destruidor de reputações”, disse.

“A minha indignação é ter servido como um soldado leal, disposto a matar e morrer, e no fim da linha ser crucificado, [tendo] levado um tiro nas costas, sendo tachado de tudo o que há porque o senhor Carlos Bolsonaro fez macumba psicológica na cabeça do pai. Eu não posso admitir isso, não é correto”, pontuou.

“Se o Carlos fosse meu filho, eu estaria preocupado, porque ele coleciona inimigos”, afirmou. “Ele vive de teorias da conspiração, vive dentro de uma caixa.”

Bebianno relatou ainda um episódio ocorrido durante a campanha no qual o filho de um colaborador teria tentado o suicídio usando uma faca para mutilar o pescoço, após ter acompanhado seu pai ser agredido e chamado de “vagabundo” por Carlos (ouça esse trecho a partir de 4 minutos e 5 segundos).

“Esse garoto passou a faca na garganta e ficou 1 mês internado no hospital”, revelou Bebianno.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe

Carreata da Frente Popular lota as ruas de Santa Cruz do Capibaribe em apoio à campanha de Paulo Câmara