Ataques diminuem, e Grande Fortaleza começa a retomar vida normal

Folhapress 

 Reuters Ataques diminuem, e Grande Fortaleza começa a retomar vida normal

Notícias ao Minuto

Sete dias depois do início dos ataques criminosos no Ceará, mudou a origem do cheiro de queimado no ar de Fortaleza. Se antes o odor era causado por ônibus, carros e prédios incendiados, agora pessoas colocando fogo em lixo acumulado pelas ruas, principalmente na periferia da cidade, faz com que a todo momento fumaça incomode os moradores da capital.

As ações criminosas atribuídas a facções criminosas diminuíram -na sétima noite houve menos relatos de atentados do que nos dias anteriores. Isso ocorre após o reforço de mais membros da Força Nacional de Segurança, que já tem mais de 400 homens ajudando no policiamento, e da chegada de policiais militares cedidos por Bahia e Piauí. No total, mais de 170 atentados ocorreram, com o ápice no sábado (5), com mais de 50. Esse número foi caindo para 35 (domingo, 6), 17 (segunda, 7) e por volta de dez na terça (8).


Entre a noite de terça e madrugada desta quarta (9), a polícia conseguiu impedir mais um ataque a viaduto, seria o terceiro, dessa vez na Barra do Ceará, em Fortaleza. O suspeito preso confessou que atacaria uma ponte na região.

Até o momento, segundo a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Ceará, 215 suspeitos de participação nos ataques foram presos ou apreendidos. Ainda segundo o governo estadual, 21 presos considerados líderes de facções no estado já foram transferidos para presídios federais após autorização do ministro da Justiça, Sérgio Moro.

"Houve redução significativa das ações criminosas na capital e interior, mas o trabalho dos nossos profissionais de segurança seguirá no mesmo ritmo para garantir a ordem e proteger a nossa população", escreveu o governador Camilo Santana (PT) em uma rede social. 

Um depósito de reciclagem na cidade de Eusébio, região metropolitana de Fortaleza, foi incendiado na noite desta terça. Na madrugada de quarta uma concessionária foi alvejada por tiros na capital, a terceira atacada desde o início dos atentados. Não houve, porém, relatos de ataques a ônibus - ao menos 25 já foram queimados em todo o estado desde quarta passada (2).

RETOMANDO A ROTINA

O Sindiônibus (Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Ceará ) informou que 100% da frota está nas ruas nesta quarta. Agentes da Força Nacional fazem a segurança dos terminais e policiais militares entram nos veículos para acompanhar o trajeto na linha.

Na segunda e terça, toda a frota também foi para a rua, mas houve algumas linhas que pararam de transitar em áreas mais perigosas ou por falta de policiais para acompanhar o trajeto. Pela noite o número de ônibus também diminui, causando transtorno para pessoas que saem mais tarde do trabalho.

A coleta de lixo, no momento, é um problema na capital. Moradores de bairros como José Walter, Sapiranga, Presidente Kennedy e Álvaro Weyne, regiões periféricas, relatam muito lixo acumulado nas ruas. Há locais que o caminhão não passa há pelo menos quatro dias.

Muitas pessoas estão queimando o lixo, para evitar o mau cheiro, que acaba descartado em terrenos vazios. A reportagem tentou contato com a Ecofor Ambiental, empresa responsável pela limpeza urbana de Fortaleza, mas não obteve resposta. Pelo menos dois caminhões da companhia foram queimados desde a semana passada e a circulação tem ocorrido também sob escolta policial. 

Depois de o Sindicato dos Médicos orientar na terça os profissionais da saúde de evitarem irem trabalhar em áreas consideradas mais críticas para atentados, os postos de saúde da cidade, até o momento, funcionam normalmente. Com informações da Folhapress.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe

Carreata da Frente Popular lota as ruas de Santa Cruz do Capibaribe em apoio à campanha de Paulo Câmara