Na Presidência por 1 dia, Maia publica lei que flexibiliza gastos dos municípios

Folhapress

Foto: Alan Santos/PR
Foto: Alan Santos/PR
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – Com o presidente Michel Temer no Uruguai, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), sancionou a proposta que livra municípios da punição por estourar o limite de gastos com pessoal.
Maia publicou a lei em edição extra do Diário Oficial da União na terça-feira (18).
Nesta quarta (19), após voltar reunião do Mercosul em Montevidéu, Temer criticou a decisão de seu substituto. Maia assume o Palácio do Planalto na ausência do chefe do Poder Executivo.
Aliados do deputado e do presidente, porém, disseram que Maia não assinaria a proposta sem o consentimento do emedebista. A nova lei altera a LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal).
Em nota, a Presidência da República disse que Temer seguiria a orientação das áreas técnicas dos Ministérios da Fazenda e do Planejamento e, até o limite do prazo, vetaria a iniciativa.
“A intenção do presidente era seguir essa orientação, como é de praxe. O texto com alterações foi assinado pelo presidente da República em exercício”, ressaltou o Planalto.
Segundo aliados de Temer e Maia, a sanção pelo deputado federal teve aval do Palácio do Planalto e foi uma forma de Temer não se indispor com a equipe econômica.
De acordo com relatos, o emedebista chegou a até mesmo telefonar para o ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, contrário à sanção da iniciativa, para dizer que foi pego de surpresa pela decisão de Maia de assiná-la em sua ausência.
A contrariedade do presidente, no entanto, causou constrangimentos. A primeira nota não foi bem aceita pelo entorno do deputado, que a considerou fora de tom. Horas depois, Temer publicou uma nova versão.
“O presidente Rodrigo Maia exerce na sua plenitude a substituição presidencial e, ao sancionar o projeto, levou em conta a nota técnica da Câmara dos Deputados, revelando que apenas fazia ajuste do disposto na Lei de Responsabilidade Fiscal, e não flexibilização do dispositivo”, escreveu.
Procurado pela reportagem, Maia disse que sancionou a proposta porque “considera o projeto correto”.
Segundo ele, nota técnica da Câmara mostra que a iniciativa representa “mero ajuste” e não “propriamente flexibilização” do mecanismo geral.
A medida sancionada abre espaço para a irresponsabilidade fiscal de prefeitos ao determinar que os municípios que tiverem queda de arrecadação de mais de 10% não podem sofrer sanções caso ultrapassem o limite de gastos de 60% da receita com servidores ativos e inativos.
Marcos Lisboa, presidente do Insper, colunista da Folha de S.Paulo e ex-secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, rebate a argumentação de Maia e afirma ter sido uma irresponsabilidade a sanção do projeto.
“O Brasil não perdeu o bonde do desenvolvimento há uma década por acidente. Nós fizemos muito esforço para garantir que continuaríamos pobres. A medida foi apenas mais um exemplo da irresponsabilidade no nosso país.”
A nova regra só vale se a queda da arrecadação for causada por redução de repasses do FPM (Fundo de Participação dos Municípios) ou royalties e participações especiais. Ou seja, por fatores alheios à qualidade da administração do município.
Anteriormente, caso ultrapassasse o teto e não o restabelece em até oito meses, a cidade ficava impedida de receber transferências voluntárias, obter garantia e contratar operações de crédito até regularizar a situação.
O município ficava proibido também de reajustar salários de servidores e de realizar novas contratações.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe

Carreata da Frente Popular lota as ruas de Santa Cruz do Capibaribe em apoio à campanha de Paulo Câmara