Preço do gás sofre reajuste e pode chegar a R$ 75

Aumento deve ser repassado aos consumidores nesta terça, já que, segundo sindicato, vendedores não têm estoques

Por: Folha de Pernambuco

Botijões de gás - Foto: Folhapress

Esta terça-feira (6) é marcada por notícias nada positivas para o bolso dos pernambucanos - aumentos nos preços do gás. O Gás Liquefeito de Petróleo (GLP), mais conhecido como gás de cozinha, será comercializado com aumento de 8,5% em relação ao preço do último reajuste, em julho. Com mais esse aumento, o valor do botijão de 13 kg passa a ser vendido nas refinarias por R$ 25,07 e pode chegar ao consumidor final por até R$ 75, segundo uma fonte consultada pela reportagem. Já o Gás Natural (GN), usado tanto como alternativa à gasolina no abastecimento de carros, quanto como substituto do gás de cozinha, sofreu um reajuste médio de 10,35%. Nos dois casos, a aplicação do reajuste tem efeito imediato. 

No caso do GN, a alta já está sendo repassada aos consumidores, sejam eles industriais, residenciais ou veiculares, visto que o aumento está em vigor desde o dia 1º, quando a Agência de Regulação de Pernambuco (Arpe) autorizou a Copergás a recompor a sua tarifa média diante do “aumento no custo de aquisição do gás natural, determinado pela Petrobras para o período de 1º novembro de 2018 a 31 de janeiro de 2019”, que foi de 11,7%. “O valor do gás natural é reajustado a cada três meses, segundo a política de preços da Petrobras. O que fizemos foi autorizar a Copergás a repassar esse aumento no preço do gás", afirmou o diretor de regulação econômica-financeira da Arpe, Frederico Maranhão. 

A alta, porém, varia segundo o uso do combustível. O Gás Natural Veicular (GNV), que ganhou milhares de novos consumidores por conta da alta da gasolina, por exemplo, teve um reajuste de 10,93%. Com isso, o metro cúbico (m³) do GNV passou de R$ 2,59 para R$ 2,69. E os usuários já sentiram a alta. O motorista de aplicativo Joabe Lima, por exemplo, está gastando R$ 20 a mais por dia em combustível. “Eu abastecia duas vezes por dia. Mas, agora, são três”, disse.

Já os consumidores residenciais que usam o gás natural no lugar do gás de cozinha sentiram um aumento que varia de 4,3% a 7,23%, de acordo com a quantidade de gás usada mensalmente. Usuários da indústria, comércio e setor de serviços tiveram um reajuste que vai de 9,7% a 11,59% nos estabelecimentos de grande porte e de 3,55% a 8,05% nos de pequeno porte. “A vantagem diante do gás de cozinha já chegou a ser de 40%, mas hoje a diferença caiu para 10% a 15%”, calculou o diretor da Tendência Administração de Condomínios, Sergio Romeiro, admitindo que isso deve impactar os custos dos condomínios com gás encanado. 

Já nas indústrias, o reajuste pode até retardar um pouco mais a recuperação do setor. “O mercado ainda está em recessão. E muitas empresas já fecharam os contratos de preços do fim do ano. Por isso, muitas não terão condições de repassar esse custo para o consumidor. Elas vão absorver mais essa despesa e isso agrava as dificuldades”, explicou o presidente da Federação das Indústrias de Pernambuco (Fiepe), Ricardo Essinger.

Enquanto os efeitos do aumento do gás natural já são visivelmente percebidos pelos pernambucanos, a partir de hoje são os consumidores de botijões de gás de cozinha que vão sentir o aumento, o segundo seguido em três meses. “Os revendedores não trabalham com estoque, mas com compra diária. Ou seja, se compram hoje das distribuidoras com aumento, já vendem ao consumidor final com o aumento”, explica o presidente do Sindicato dos Revendedores de Gás Liquefeito de Petróleo de Pernambuco (Sinregas-PE), Ailton Júnior. 

Em nota, a Petrobras reafirma que o novo reajuste no valor do GLP se deu por conta da desvalorização do real frente ao dólar e às elevações nas cotações internacionais do gás. 

Este é o segundo reajuste da tarifa média da Copergás no ano - o primeiro foi em fevereiro. Mesmo assim, a Arpe garante que, apesar das queixas do consumidor, o reajuste estadual está abaixo dos aumentos impostos pela Petrobras. “Em 1º de fevereiro, a Petrobras aumentou em 6,05% o preço às distribuidoras. Em 1º de maio, aumentou 4,82%. Em 1º de agosto, 11,7%. Em 1º de novembro, 11,7% novamente. No acumulado do ano, o aumento já é de 38,7%. Só que a Arpe não autorizou o repasse do custo pela Copergás em maio e em agosto. Autorizamos um reajuste de 10,35% agora e de 5,39% em fevereiro. Por isso, no ano, o aumento médio foi só de 16,3%”, calculou Frederico Maranhão, explicando que, para isso, a Copergás reduziu sua margem financeira.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe

Carreata da Frente Popular lota as ruas de Santa Cruz do Capibaribe em apoio à campanha de Paulo Câmara