Ao menos 14 pessoas morrem em deslizamento de terra em Niterói, no Rio

Parte de morro desabou sobre casas na manhã deste sábado (10), na região Oceânica


Equipes do corpo da Prefeitura e do Corpo de Bombeiros trabalham no resgate de vítimas de desabamento no Morro da Boa Esperança, em Niterói - Reprodução/GloboNews

Folha de São Paulo

Ao menos 14 pessoas morreram após um deslizamento na manhã deste sábado (10) no Morro da Boa Esperança, em Piratininga, na região Oceânica de Niterói.

O número de mortos foi atualizado na manhã deste domingo (11) pelo Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro. Até o momento, 11 vítimas foram encontradas com vida pela equipe de resgate.

Um menino de três anos está entre os mortos. Também perderam a vida um mulher de 55 anos, outra de 56 e um homem de 37 anos. Ainda não foram confirmados oficialmente os dados sobre as outras vítimas.

No momento, as buscas estão interrompidas, porque todos os corpos de desaparecidos já foram encontrados. Os bombeiros continuam no local e podem voltar ao trabalho caso surja mais algum relato de vítima.


Tudo começou por volta das 5h de sábado, quando uma pedra deslizou e atingiu de 7 a 10 casas, de acordo com o Corpo de Bombeiros. O terreno estava úmido devido às fortes chuvas que atingem o estado do Rio, incluindo a região metropolitana, desde a noite da última quarta-feira (7).

Entre as vítimas resgatadas, seis foram encaminhadas para o Hospital Estadual Azevedo Lima —duas delas são crianças. Outra vítima, uma mulher de 25 anos, foi para o Hospital Estadual Alberto Torres. 

De acordo com o comandante do Corpo de Bombeiros e secretário de Estado de Defesa Civil, Roberto Robadey, Niterói estava em estágio de atenção e alerta, e as comunidades estavam avisadas da situação.

Claudio dos Santos, presidente da associação dos moradores do morro da Boa Esperança, disse ao canal GloboNews que algumas casas estavam isoladas pela Defesa Civil, por causa do risco de deslizamento, mas que as famílias continuaram no local. 

A Prefeitura afirmou, em nota, que a causa do deslizamento foi "a ruptura de um maciço em uma área de preservação ambiental acima da localidade Boa Esperança".

Segundo a Prefeitura, "a região não era diagnosticada como de alto risco geológico dentro do mapeamento de risco do Departamento de Recursos Minerais do Governo do Estado (DRM), que norteia a atuação da Defesa Civil."

O departamento estadual, porém, disse que não fez análises na localidade, uma vez que, à época em que começou a fazer levantamentos do tipo em municípios fluminenses, a prefeitura de Niterói já havia feito ou estava prestes a fazer uma análise geológica própria de suas áreas de risco. 

Além de equipes da prefeitura, que prestam socorro às vítimas e dão apoio a vizinhos e familiares, a Polícia Militar também ajudou no resgate. Segundo a prefeitura, uma base de apoio foi montada na Escola Municipal Francisco Portugal Neves, em Piratininga, para receber os desabrigados.

A Prefeitura de Niterói informou ainda que equipes da "Defesa Civil (municipal), Saúde, Assistência Social, Obras e Companhia de Limpeza, estão no local, atuando em conjunto com o Corpo de Bombeiros e Defesa Civil Estadual, prestando socorro às vítimas e apoio para vizinhos, amigos e familiares".

A administração também disse que desde 2013 "investiu mais de R$ 150 milhões em obras de contenção em 50 encostas da cidade".

PEZÃO E WITZEL LAMENTAM MORTES

O atual governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, e o governador eleito do estado, Wilson Witzel, lamentaram as mortes causadas pelo deslizamento. Os dois se solidarizaram com as famílias que perderam parentes na tragédia.

“[Witzel] Recebeu com pesar a informação do falecimento de três pessoas [o número de vítima subiu para dez] na Comunidade da Boa Esperança, em Niterói, em virtude do deslizamento de terra, por causa das chuvas”, disse em nota.

Também por meio de nota, Pezão afirmou que “o Governo do Estado do Rio de Janeiro está mobilizado para auxiliar a prefeitura de Niterói, em razão do deslizamento de terra na Comunidade da Boa Esperança, em Piratininga, município de Niterói".

MORRO DO BUMBA, HÁ 8 ANOS

Em 2010, uma tragédia no morro do Bumba, também em Niterói, deixou 56 mortos. Um deslizamento de terra atingiu a encosta do morro arrastando casas e soterrando famílias.

Em 2004, o Instituto de Geociência da Universidade Federal Fluminense fez um estudo, a pedido do Ministério das Cidades, e constatou que a área já tinha alto risco de acidentes e exigia monitoramento constante.

Entre 1970 e 1985, o morro foi depósito de lixo de Niterói e São Gonçalo. Nos 25 anos seguintes, a área foi ocupada por mais de cem casas, segundo os moradores. Cerca de 50 delas foram soterradas.

Duas fissuras na rocha, no alto do morro, serviram de "gatilho" para o grande deslizamento de terra, concluiu estudo de geógrafos da PUC-Rio, feito a pedido do DRM (Departamento de Recursos Minerais do Rio). O excesso de lixo e a presença do gás agravaram a tragédia.

UOL e AGÊNCIA BRASIL

Postagens mais visitadas deste blog

ZÉ ELIAS CONCEDE ENTREVISTA E FALA SOBRE O MOMENTO DIFÍCIL QUE ESTÁ PASSANDO

EDILSON TAVARES, UM OUTSIDER QUE DEU CERTO