Armando articula manifesto por renovação dos incentivos às montadoras do Nordeste


O senador Armando Monteiro (PTB-PE) foi um dos coordenadores de manifesto das bancadas federais do Nordeste a ser encaminhado ao presidente da República reivindicando a prorrogação, até 2025, dos incentivos fiscais à indústria automobilística instalada na região, que vencem em 2020. A medida beneficiará diretamente a Fiat Chrysler em Goiana e a Baterias Moura, em Belo Jardim.

Os deputados federais e senadores nordestinos destacam, no manifesto, que “a prorrogação viabilizará um novo ciclo de investimentos que irá consolidar a cadeia produtiva na região, gerando mais empregos de qualidade, ampliando o número de fornecedores e a capacidade produtiva do setor”.

Segundo o manifesto, “tal política foi fundamental para descentralizar os investimentos da produção automotiva, sendo capaz de gerar profundas mudanças na realidade socioeconômica da região e dos municípios, que eram anteriormente vítimas da estagnação econômica e da ausência de oportunidades para a população”.

Em visita às instalações da Fiat em Goiana, em março último, o presidente Michel Temer anunciou a medida, mas a oposição do ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, e do secretário da Receita Federal, Jorge Rachid, vem impedindo que ela se concretize.

Mobilização - Armando Monteiro, os senadores Fernando Bezerra Coelho (PMDB-PE) e Tasso Jereissati (PSDB-CE) e os deputados Mendonça Filho (DEM-PE), Fernando Filho (DEM-PE) e José Carlos Aleluia (DEM-BA), reunidos ontem (terça, 3), decidiram mobilizar as bancadas do Nordeste no Senado e na Câmara dos Deputados contra a resistência de Guardia e Rachid.  Já iniciaram a coleta das assinaturas do manifesto ao presidente da República, que até o meio-dia tinha 72 parlamentares.

Afora a Fiat Chrysler em Goiana e as baterias Moura em Belo Jardim, os incentivos fiscais às montadoras fora do Sudeste e Sul beneficiam a Ford na Bahia e a Troller no Ceará. Essas empresas usam o crédito presumido do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) para abater o pagamento do PIS-Cofins, desde que invistam em pesquisa e inovação tecnológica. 

Armando lembrou que o polo automotivo de Goiana emprega cerca de 14 mil trabalhadores, incluindo os fornecedores e terceirizados, enquanto o grupo Moura, maior produtor de baterias do país, com 7,5 milhões de unidades por ano, possui seis mil empregados. “Além disso, estará assegurado às duas empresas o desenvolvimento de novas tecnologias e, em consequência, a manutenção da competitividade delas nos mercados doméstico e externo”, concluiu o senador petebista.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe

Carreata da Frente Popular lota as ruas de Santa Cruz do Capibaribe em apoio à campanha de Paulo Câmara