Compesa e Polícia Civil identificam ligação clandestina em Bezerros

O prejuízo causado pelo furto de água é estimado em mais de 200 mil reais

Uma denúncia anônima levou a Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa) a investigar uma residência e acionar a Polícia Civil para coibir o desvio de água em uma residência no município de Bezerros, localizada na Avenida Major Aprígio da Fonseca, às margens da BR-232, no Agreste, para a venda irregular por meio de carro-pipa, causando um prejuízo de mais de R$ 200 mil em dois anos (segundo alega o infrator, quanto ao início da atividade). A estimativa dos técnicos da companhia é que estava sendo desviado, em média, um volume de 72 metros cúbicos de água (dia), o que permitia, a retirada de oito carros-pipa, por dia, totalizando 192 caminhões, por mês. O infrator, de aproximadamente 55 anos, foi preso hoje (7). Ele confessou a prática irregular e foi liberado após o pagamento da fiança de R$10 mil. Além das providências jurídicas, a Compesa dará andamento às medidas administrativas com a cobrança de multa referente ao consumo não contabilizado, conforme determina o Regulamento Geral de Fornecimento de Água e Coleta de Esgoto.

O infrator é proprietário de carros-pipa e, de acordo com o seu depoimento e seus registros de entrega, cobrava entre R$ 100 e R$ 150 por cada viagem. Os técnicos da Compesa fizeram uma inspeção prévia ontem. No cadastro da companhia, o cliente pagava apenas a tarifa mínima, por um consumo de 10 mil litros de água por mês, que é de R$ 41,30. Mas ao verificar o imóvel, foi constatado que o morador possuía piscina, reservatório elevado e um inferior, que juntos, acumulavam 56 mil litros de água. “Esse volume armazenado era incompatível com o consumo registrado no hidrômetro do imóvel”, afirmou o coordenador da Compesa, João Paulo Alencastro.


Ainda segundo o coordenador, o infrator pagava religiosamente a conta de água. Para armazenar toda a água vendida em carro-pipa, ele fez um desvio entre duas ligações residenciais (ramais). Fazia a retirada da água antes da chegada do hidrômetro do vizinho, que nunca desconfiou da irregularidade. Inicialmente, o morador não confirmou as suspeitas dos técnicos da Compesa, mas quando foi iniciado o processo de escavação para comprovar o flagrante, junto com o delegado de Bezerros, Humberto Pimentel, ele acabou confessando o crime e explicando como era desenvolvida a sua estratégia irregular de comercialização de água produzida pela companhia. “Lembramos que o furto de água prejudica o abastecimento de toda uma área, penalizando os clientes que pagam a conta”, finalizou João Paulo Alencastro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe

Carreata da Frente Popular lota as ruas de Santa Cruz do Capibaribe em apoio à campanha de Paulo Câmara