Aos amigos tudo – aos inimigos, a lei


Por GUILHERME COUTINHO*

Na semana da abertura do ano judiciário, a Justiça protagonizou – por motivos diferentes – os principais acontecimentos políticos no país. Sua face (seletivamente) benevolente foi escancarada com a divulgação dos absurdos auxílios-moradia recebidos por Moro, Bretas e demais integrantes da quase divina casta da magistratura tupiniquim. O lado leniente também foi notícia com a absolvição, por unanimidade, da ex-governadora Roseana Sarney, pelo TJMA. No entanto, a judicatura nem sempre é tão maternal e clemente. Magistrados também foram notícia por não ter concedido a uma mãe lactante o direito de responder ao processo em casa e pelo excesso de rigor, motivado por causas eleitoreiras, na revisão do processo de Lula. Aos nossos, auxílio-moradia – aos outros, a cadeia.

A situação do auxílio-moradia não chega a ser ilegal, mesmo para aqueles que já possuem imóvel próprio. Isso porque o Ministro Fux proferiu uma decisão, em caráter liminar, estendendo o benefício a todos magistrados e membros do Ministério Público, em outubro de 2014. Porém, nem tudo o que é legal é moral, e, de acordo com o artigo 37 de nossa Carta Magna, o agente público (divino ou carnal) deve abster-se de praticar atos que atentem contra a moralidade administrativa, pois eles seriam anuláveis. Segundo Maria Sylvia Zanella Di Pietro, o desvio de moralidade estaria intimamente ligado ao abuso de poder e ao desvio de finalidade. Vejamos: se um magistrado que possui um imóvel, como Sérgio Moro, recebe o auxílio, que foi criado para ser utilizado, exclusivamente, com moradia e o usa para fins diversos, desconhecidos pela sociedade, a finalidade do ato de concessão do benefício está viciada. O ato atenta contra a moral jurídica, além de ser absurdo na questão social.

Mas, se o Judiciário é permissivo com seus membros, garantindo tantos benefícios, ele é duro e impiedoso em outras ocasiões. Em um exemplo recente, a presidente do STJ, negou a uma mulher, presa pelo "imperdoável" crime de portar 8,5 gramas de maconha, o direito de responder ao processo em casa, para amamentar seu filho de apenas um mês. A mesma magistrada concedeu o benefício a Roger Abdelmassih, o médico-monstro que assombrou o país, cometendo incontáveis estupros.

Esse contraste fica claro também na absolvição de Roseane Sarney, pelo TJMA, pela acusação de desvio de 1,9 milhão de recursos da saúde e da rigidez absurda no já exaustivamente comentado julgamento de Lula no TRF4. Todos esses exemplos, do lado A e lado B da justiça (?), ocorreram apenas na última semana. A primeira semana de efetivo trabalho judiciário no Brasil em 2018. E assim começam os trabalhos de um Poder que se sobrepõe a todos os outros, comandando um país obrigado a se curvar diante das togas. E nem se pode criticar, pois segundo a presidente do Supremo, é inadmissível se criticar o Poder Judiciário. Será?

*Jornalista, publicitário e especialista em Direito Público. Autor do blog Nitroglicerina Política

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe

Carreata da Frente Popular lota as ruas de Santa Cruz do Capibaribe em apoio à campanha de Paulo Câmara