Temer afasta vices da Caixa por esquema capitaneado por Cunha

CARTA CAPITAL

Procuradoria pediu pena de 387 anos a ex-deputado federal por dezenas de crimes no banco e sugeriu a substituição de dirigentes
Agência Câmara
Apenas por crimes de corrupção ativa, a Procuradoria pediu 192 anos de pena a Cunha

Michel Temer afastou, nesta terça-feira 16, quatro dos 12 vice-presidentes da Caixa Econômica Federal por 15 dias após recomendação do Banco Central e do Ministério Público Federal.

Os dirigentes Deusdina dos Reis Pereira, Roberto Derziê de Sant'Anna, Antônio Carlos Ferreira e José Henrique Marques da Cruz são investigados em um esquema que inclui uma série de desvios no banco público, grande parte deles capitaneada pelo ex-deputado federal Eduardo Cunha.

Leia também:
Recentemente, a Procuradoria recomendou a substituição imediata de todos os vice-presidentes da Caixa Econômica Federal. Na segunda-feira 15, apresentou suas alegações finais no processo que investiga desvios no Fundo de Investimento do FGTS, controlado pelo banco público.

Na acusação, o Ministério Público pediu uma pena de 387 anos para Cunha por dezenas de crimes cometidos no esquema. Alguns dos vices afastados por Temer estão citados nas alegações finais, a exemplo de Deusdina Pereira e Roberto Sant'Anna.

Além de Cunha, a Procuradoria sugeriu penas de 32 anos ao doleiro Lúcio Funaro, que assinou um acordo de colaboração premiada com a Justiça, e ao ex-vice-presidente da Caixa Fabio Cleto, além de uma punição de 78 anos de reclusão ao ex-ministro Henrique Eduardo Alves.

Cunha é acusado de ter cometido dezenas de crimes, entre eles 12 delitos de corrupção ativa e 11 de lavagem de capitais. Apenas pelos crimes de corrupção ativa, a Procuradoria pediu uma pena de 192 anos ao ex-presidente da Câmara. Em relação aos delitos de lavagem, são 132 anos.

A alta punição sugerida a Cunha decorre de o Ministério Público ter usado o critério de concurso material, ou seja, a soma das penas referentes a cada crime. Apesar do pedido, a legislação brasileira prevê que o tempo máximo de prisão seja de 30 anos.

Temer já foi citado como um dos beneficiários do esquema da Caixa. Na segunda denúncia contra o emedebista apresentada pelo ex-procurador-geral Rodrigo Janot, o presidente é apontado como líder da organização criminosa composta também por Cunha, Alves e o ex-ministro Geddel Vieira Lima, preso após a descoberta de um bunker com 51 milhões em dinheiro vivo.

Segundo Janot, a organização criminosa arrecadou cerca de 170 milhões de reais em propina no esquema de desvios na Caixa.

Comentários

POSTAGENS MAIS ACESSADAS

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe

Obras da PE-160 seguem em ritmo acelerado

CARLINHOS DA COHAB: "Sou um soldado do grupo e pronto para defender a candidatura de Zé e pedir voto pra ele"

Corpo de Guilherme Uchoa é velado na Assembleia Legislativa de PE

MORO DESOBEDECE TRF-4 E NÃO SOLTA LULA