Paulo Câmara exonera coronel denunciado na Torrentes; PP assume

Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem

Do Blog de Jamildo

O governador Paulo Câmara exonerou nesta sexta-feira (22) o coronel Mário Cavalcanti da Secretaria-Executiva de Recursos Hídricos. O oficial da Polícia Militar foi um dos oito denunciados por dispensa indevida de licitação e peculato pelo Ministério Público Federal (MPF) na Operação Torrentes. Para o lugar dele vai o advogado Guilherme Cavalcanti da Rocha Leitão, ligado ao PP, que amplia ainda mais o espaço no governo.

Troca foi publicada no Diário Oficial desta sexta-feira

Além dessa pasta, o PP ganhou recentemente a administração de Fernando de Noronha, com o também advogado Plínio Pimentel, e a Secretaria de Desenvolvimento Social, Criança e Juventude, com Cloves Benevides. O partido já tem o Porto do Recife e o Lafepe.

O objetivo de Paulo Câmara ao ampliar os espaços é garantir o apoio do PP nas eleições de 2018. O partido é o que tem o terceiro maior tempo de televisão e também o terceiro maior fundo partidário por ter uma bancada de 52 deputados federais, atrás apenas de PMDB (60 parlamentares) e PT (57).

A tentativa de garantir o PP no palanque é com a possibilidade de perder o PMDB. Com o vice-governador Raul Henry na presidência do partido em Pernambuco, os peemedebistas eram os principais aliados de Paulo Câmara. Desde setembro, porém, o presidente nacional da legenda, Romero Jucá, articulou a dissolução da direção local para entregar o comando a Fernando Bezerra Coelho, que trocou o PSB pelo PMDB para levá-lo para a oposição e já se coloca como pré-candidato contra o socialista.

Torrentes

O coronel Mário Cavalcanti foi chefe da Secretaria da Casa Militar no governo Eduardo Campos (PSB) e interventor da cidade de Gravatá, no Agreste, na gestão de Paulo Câmara. Ele foi nomeado para a área de Recursos Hídricos com o fim da intervenção. A Torrentes teve como alvo contratações feitas pela Casa Militar após as enchentes de 2010 na Mata Sul do Estado.

De acordo com a denúncia do MPF, durante os primeiros dias da crise provocada pelas cheias, oficiais que atuavam na pasta deixaram de observar as formalidades referentes a duas dispensas de licitação, favorecendo a empresa Mega Frios. Segundo o MPF, para conferir aparência legítima aos atos criminosos praticados, os denunciados teriam usado documentos ideologicamente falsos e simulação de procedimentos. Além disso, conforme as apurações, teriam desviado R$ 1.149.490,80 através de pagamentos superfaturados.

Esse valor, devidamente corrigido, equivale a um dano de R$ 2.425.741,78.

Na operação, Cavalcanti não chegou a ser preso, mas foi ouvido pela Polícia Federal.

De acordo com a PF, chamou atenção dos investigadores que, logo após a deflagração da Operação Mata Norte, anterior à Torrentes, o coroneu reuniu os PMs da sua antiga equipe. O coronel Roberto Gomes Filho, que também atuou na Casa Militar e apareceu na apuração como suposto elo com o PSB, foi um deles.

A Polícia Federal afirmou que na véspera da eleição de 2014, quando Paulo Câmara venceu o pleito ainda no primeiro turno, houve um saque de R$ 2 milhões da conta bancária de uma das empresas investigadas, a FJW Empresarial LTDA. A retirada do dinheiro foi feita, segundo a PF, por um dos presos na operação. Horas depois, os registros telefônicos feitos pela PF apontaram que a localização dele estava a 200 metros da casa de Melo Filho. Segundo a PF, o celular do oficial da PM apontou depois que ele foi para a sede do PSB no Recife. A polícia enfatizou, porém, que isso não quer dizer que o dinheiro tenha ido para o PM ou o partido.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe

Carreata da Frente Popular lota as ruas de Santa Cruz do Capibaribe em apoio à campanha de Paulo Câmara