Herdeiro da Samsung é condenado a cinco anos de prisão

Bilionário da Coreia do sul é acusado de tentar corromper a ex-presidente que teve mandato derrubado no início do ano

Da Veja.com

O vice presidente da Samsung, Lee Jae-Yong, fala com a imprensa sobre o escândalo envolvendo o presidente da Coreia do Sul, em Seul (Chung Sung-Jun/Getty Images)

Um tribunal da Coreia do Sul condenou nesta sexta-feira o bilionário Lee Jae-yong, herdeiro da Samsung, a cinco anos de prisão por crimes como corrupção, desfalque, ocultação de recursos no exterior e lavagem de dinheiro. A revelação de que Lee tentou corromper a então presidente Park Geun-hye acelerou o processo que levou ao impeachment dela, no início deste ano.

Após um julgamento de seis meses, um tribunal decidiu que Lee havia pago subornos em troca de favores de Park. O tribunal também considerou Lee culpado de esconder bens no exterior, de fraude e de perjúrio.

Lee, o herdeiro de 49 anos de um dos maiores impérios corporativos do mundo, estava detido desde fevereiro sob acusações de suborno. O objetivo do empresário, ao oferecer propina, era conquistar o apoio de Park para uma operação que ampliaria seu poder sobre o conglomerado. Ele queria a fusão de filiais da Samsung, operação que seria crucial para expandir seu poder na companhia após a crise cardíaca sofrida pelo pai ainda em 2014.

A Samsung Electronics é líder mundial em produção de smartphones e chips, e o conglomerado abrange interesses que variam de medicamentos e utensílios domésticos a seguros e hotéis.

O magistrado disse que como herdeiro do grupo, Lee “estava na posição de se beneficiar mais” com qualquer favor político para a Samsung. Lee negou qualquer infração e um de seus advogados, Song Wu-cheol, disse que ele recorrerá à decisão.

(com Estadão Conteúdo e Reuters)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe

Carreata da Frente Popular lota as ruas de Santa Cruz do Capibaribe em apoio à campanha de Paulo Câmara