"SEM COMPRAR DEPUTADOS, TEMER TERIA LEVADO SURRA"


A substituição de 13 membros da CCJ pelo Palácio do Planalto revela que Michel Temer tinha apenas 27 votos para segurar a admissibilidade da denúncia por corrupção passiva. O cálculo é do senador Roberto Requião (PMDB-PR), presidente da Frente Ampla; “Se foram 13 as trocas da comissão teríamos 38 votos a favor da admissibilidade e 27 contra”, tuitou o senador do PMDB; “É obstrução à Justiça usar dinheiro público para que deputados venham aqui votar a favor de um arquivamento esdrúxulo, inadequado, inoportuno”, reagiu ainda o relator Sergio Zveiter (PMDB-RJ); troca-troca indecoroso promovido por Michel Temer, apontado como corrupto por 80% dos brasileiros, foi aceito pela presidente do Supremo Tribunal Federal, Cármen Lúcia


A substituição de 13 membros da CCJ pelo Palácio do Planalto revela que Michel Temer tinha apenas 27 votos para segurar a admissibilidade da denúncia por corrupção passiva. O cálculo é do senador Roberto Requião (PMDB-PR), presidente da Frente Ampla.

Segundo Requião, o ilegítimo Michel Temer perderia a votação pelo placar de 38 votos favoráveis à investigação pelo STF a 27 votos contrários à abertura da ação penal.

“Se foram 13 as trocas da comissão teríamos 38 votos a favor da admissibilidade e 27 contra”, tuitou o senador do PMDB.

A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) da Câmara rejeitou nesta quinta (13) o parecer que pedia a admissibilidade da denúncia contra o presidente Michel Temer. Por 40 votos a 25, os membros do colegiado derrubaram o relatório de Sérgio Zveiter (PMDB-RJ), que autorizava o prosseguimento da acusação pelo crime de corrupção passiva perante o Supremo Tribunal Federal (STF). Foi registrada uma abstenção.

O parecer alternativo do deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG), contrário à investigação de Temer, foi aceito na CCJ por 41 votos a favor e 24 votos contra, além de uma abstenção.

“É obstrução à Justiça usar dinheiro público para que deputados venham aqui votar a favor de um arquivamento esdrúxulo, inadequado, inoportuno”, reagiu Zveiter.

Apesar do protesto de Zveiter, essa pode ser uma “Vitória de Pirro” de Michel Temer. O Tinhoso tende a levar uma sabugada no plenário da Câmara, em agosto, na volta do recesso parlamentar.

Pelas contas de Requião, o deputado trocado — e humilhado — na CCJ vai trabalhar dobrado pela derrota de Temer no plenário.

Pelo sim pelo não, moralmente o ilegítimo Michel Temer sofreu uma grande derrota hoje.

Com informações da Agência Brasil

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe

SETE GOVERNADORES ENCARAM TEMER E DIZEM NÃO A PEDRO PARENTE