Economistas respondem a Bolsonaro: Brasil não está quebrado, mas governo precisa fazer escolhas

Segundo especialistas, País tem boa situação financeira, mas precisa avançar na aprovação de medidas essenciais para a sustentabilidade das contas públicas, como as reformas tributária e administrativa

Adriana Fernandes e Idiana Tomazelli, O Estado de S.Paulo

BRASÍLIA - Economistas ouvidos pelo Estadão são taxativos no contraponto ao presidente Jair Bolsonaro: o Brasil não está quebrado, mas é preciso fazer escolhas para ampliar gastos, incluindo o avanço na aprovação de medidas essenciais para a sustentabilidade das contas públicas. 

'Brasil está quebrado, chefe', disse Bolsonaro a apoiador nesta terça-feira, 5. 
Foto: Erado Peres/AP

Nesta terça-feira, 5, ao responder um apoiador que o cobrou sobre o aumento da isenção do Imposto de Renda (hoje, concedido a quem ganha até R$ 1,9 mil por mês), Bolsonaro disse: "Chefe, o Brasil está quebrado, chefe. Eu não consigo fazer nada".

Para economistas, porém, o presidente pode, sim, se empenhar para a aprovação da reforma administrativa que prevê uma reformulação no RH do Estado, com mudanças na forma como os servidores são contratados, promovidos e demitidos. Ou cortar os chamados benefícios tributários, quando a União abre mão da arrecadação em favor de grupos específicos. Com esse discurso, a avaliação é de que o presidente posterga e acumula os problemas. 

Mansueto Almeida, ex-secretário do Tesouro Nacional dos governos Temer e Bolsonaro.
 Foto: Dida Sampaio/Estadão

O Brasil não está quebrado. O presidente quis dizer talvez que, apesar da carga tributária elevada aqui, mesmo cumprindo com o teto dos gastos, ainda teremos este ano e nos próximos déficit primário e crescimento da dívida pública. Assim, não há espaço para o governo abrir mão de arrecadação porque ainda teremos que reduzir o mais rápido possível o desequilíbrio fiscal ao longo dos próximos anos para consolidar o cenário de inflação na meta, juros baixos e recuperação da economia.

A situação é a seguinte: hoje, o Brasil não pode abrir mão de R$ 1 de receita e ainda tem que se esforçar para recuperar neste e nos próximos anos a arrecadação que perdeu com a crise da covid-19 na queda do Produto Interno Bruto (PIB) e na arrecadação. 

Carlos Thadeu de Freitas, ex-diretor do Banco Central e atual 
economista-chefe da Confederação Nacional de Comércio (CNC). 
Foto: Roque de Sá/Agência O Globo

O Brasil não está quebrado. O Brasil quebrou várias vezes no passado por falta de dólares. E quebrou em cruzados novos pela hiperinflação deixada pelo ex-ministro Maílson da Nóbrega com sua política de feijão com arroz. Hoje, o Brasil é credor líquido em dólares, tem a taxa de juros mais baixa da história, saiu em V da recessão e a renda média aumentou no ano passado. Fala que o País está quebrado somente quem não conhece economia. Mas presidente é presidente. Bolsonaro falou isso para ninguém pedir ajuda. Ele quis barrar pedidos de verbas ao governo. Quando ele prometeu ampliar a faixa de isenção do Imposto de Renda era outra época. Hoje, mudou tudo. É outro mundo. O presidente tem que falar não e não.

Sergio Vale, economista-chefe da MB Associados. 
Foto: Gabriela Biló/Estadão

Iniciando a metade final de seu mandato, o presidente indica que não conseguirá fazer mais nada de relevante. Ao sugerir mãos atadas por um país quebrado, ele esquece de que poderia fazer uma reforma administrativa que envolvesse o funcionalismo da ativa e que poderia ir além na PEC emergencial, discutindo gastos tributários como a Zona Franca de Manaus. Ou que pudesse entrar em acordo sobre as reformas tributárias na Câmara e no Senado, mais profundas do que a apresentada pelo Ministério da Economia. Mas não. Ao sair com esse discurso por falta de força política o presidente posterga e acumula os problemas para 2023, início de um novo governo. Serão dois anos que, pelo jeito, veremos o Executivo bater cabeça como ficou o governo Temer depois da delação da JBS. Vamos, novamente, viver em compasso de espera.

Guilherme Tinoco, especialista em contas públicas. 
Foto: Twitter/Reprodução

O Brasil não quebrou. O País vive um momento econômico complicado e, em termos fiscais, há que de fato se ter muita responsabilidade. A dívida do país cresceu bastante, atinge níveis recordes e segue sendo uma das mais altas, senão a maior, entre países emergentes. Isso não é desculpa, contudo, para nada fazer. Esse discurso não serviu, por exemplo, para impedir o aporte bilionário de recursos na empresa estatal militar, Engeprom, ou a concessão de aumento salarial aos militares. Esse discurso também não tem sido suficiente para mobilizar o governo para realizar as reformas necessárias.

Onde está a reforma administrativa? Onde estão as privatizações prometidas? E o anúncio de corte nos benefícios fiscais? Também é importante lembrar que o atraso na vacinação custa bastante, em termos financeiros, conta que um país quebrado não pode suportar. A cada 1 ponto percentual de PIB perdido por conta desse atraso, o governo deixa de arrecadar um montante próximo ao valor da privatização da Eletrobrás.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

Filho deve substituir Aragão candidato em Santa Cruz