Bolsonaro assina decreto que sobe o salário mínimo de R$ 954 para R$ 998

Seguindo cálculos de técnicos do antigo governo, o impacto nas contas será de R$ 15,4 bilhões

Correio Braziliense

(foto: Ed Alves/CB/D.A Press) 

O presidente Jair Bolsonaro assinou o decreto que fixa o salário mínimo em R$ 998 nesta terça-feira (1º/1), no primeiro ato como chefe do Executivo. Com isso, os trabalhadores e os beneficiários da Previdência Social receberão R$ 44 a mais do que o valor atual, que é de R$ 954. 

O valor diário da remuneração será de R$ 33,27. Por hora, R$ 4,54. Seguindo cálculos de técnicos do antigo governo, o impacto nas contas será de R$ 15,4 bilhões. As estimativas consideram que para cada real a mais no piso salarial, as contas da Previdência aumentam, em média, R$ 350 bilhões. A remuneração seria de R$ 1.006, conforme foi aprovado no Projeto de Lei Orçamentária Anual (Ploa) de 2019 pelo Congresso Nacional, mas o desempenho mais fraco da inflação reduziu o salário. Quando encaminhou o texto, o governo previa uma taxa de 4,2%. 

Os dados mais recentes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram, porém, que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) acumula 3,56% ao longo de 12 meses terminados em novembro. O salário mais baixo possibilitará uma economia nos cofres públicos. Se os R$ 1.006 fossem concretizados, os benefícios previdenciários subiriam R$ 18,2 bilhões. Ou seja, a economia será de R$ 2,8 bilhões. 

Bolsonaro também terá que decidir, até o dia 15 de abril, se a regra atual do reajuste será mantida para os próximos anos. Pela legislação atual, em vigor desde 2007, o piso tem aumento real, ou seja, acima da inflação porque a fórmula de cálculo considera o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de dois anos antes mais a variação da inflação medida pelo Índice de Nacional de Preços ao Consumidor (INPC).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe

Carreata da Frente Popular lota as ruas de Santa Cruz do Capibaribe em apoio à campanha de Paulo Câmara