Judiciário prevê litígios sobre meio ambiente, encarceramento e indígenas

Folhapress

Foto: AGU

A cúpula do Judiciário tem dito acreditar que o radicalismo de Jair Bolsonaro (PSL) tenha se restringido à campanha eleitoral, para ganhar votos, mas vê três possíveis pontos de litigiosidade no futuro governo: as questões de meio ambiente, de índios e de encarceramento.

Para magistrados, o desafio de Bolsonaro será domar sua bancada no Congresso, que vai manter o discurso radical durante o governo e vai cobrar o mesmo dele, assim como seus eleitores mais aguerridos. Mas a radicalização ou inaptidão para o diálogo, destacou um deles, já levou ao impeachment de dois presidentes –Fernando Collor e Dilma Rousseff.

O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Dias Toffoli, tem dito a interlocutores, contudo, que acredita que Bolsonaro vá dialogar, porque tem longa experiência na vida pública, de quase 30 anos na Câmara dos Deputados, e sabe que ninguém governa sozinho.

Espera-se no tribunal que o presidente eleito tenha jogo de cintura para lidar tanto com a oposição como com os demais Poderes e instituições. Nas palavras de um ministro, nenhum presidente da República governa sem conversar institucionalmente com o Supremo, com a PGR (Procuradoria-Geral da República) e com o TCU (Tribunal de Contas da União).

O primeiro teste para o militar reformado, segundo um magistrado, será compor sua equipe. O STF observa com atenção os nomes que serão escolhidos. Eles deverão dar um indicativo dos rumos que o governo poderá tomar.

A cúpula do Judiciário também tem afirmado que não vê riscos de haver uma ruptura institucional com o novo governo, e que acredita que Bolsonaro respeitará as decisões do Supremo que eventualmente contrariem interesses e medidas do Planalto.

“Se o Poder Judiciário, a sociedade civil e os veículos de imprensa lidarem com qualquer presidente da República legitimamente eleito esgrimindo e brandindo a Constituição Federal, teoricamente vai dar tudo certo”, disse à Folha de S.Paulo o ex-ministro do STF Carlos Ayres Britto.

Ao menos durante a gestão de Toffoli na presidência do Supremo, que vai até setembro de 2020, questões vistas como de alçada prioritariamente do Congresso, como a descriminalização do aborto, não devem entrar na pauta do plenário da corte, aliviando pontos de tensão com um governo de perfil conservador, como será o de Bolsonaro.

Por outro lado, haverá questões inevitáveis. A política de encarceramento no Brasil, onde a população dos presídios cresce ano a ano, preocupa Toffoli. O ministro pretende propor ações no âmbito do CNJ (Conselho Nacional de Justiça) para fazer frente ao problema. Já Bolsonaro se elegeu com um discurso linha-dura no campo da segurança pública. A expectativa é que seus eleitores o pressionem nessa área.

As questões de meio ambiente e de índios (além de outros grupos minoritários) vão depender da atuação da PGR. Tais temas só chegam ao Supremo se a Procuradoria ajuizar ações –procuradores já manifestaram publicamente apreensão com propostas da campanha de Bolsonaro nessas áreas e disposição para enfrentá-las.

A procuradora-geral, Raquel Dodge, tem mandato garantido à frente da PGR até setembro de 2019. Bolsonaro poderá ou não reconduzi-la, e ainda indicará mais um nome para o comando do órgão em 2021. Na campanha, ele sinalizou que poderá não seguir a lista tríplice –de nomes eleitos pelos membros do Ministério Público Federal–, o que já motivou crítica da associação dos procuradores.

Nos próximos quatro anos, Bolsonaro vai nomear ao menos dez ministros para os tribunais superiores, sendo dois deles para o STF. A regra vigente determina aposentadoria compulsória aos 75 anos. Dois ministros do Supremo vão completar essa idade em 2020 (Celso de Mello) e 2021 (Marco Aurélio).

O presidente eleito já disse que quer alguém com o perfil do juiz Sergio Moro, da operação Lava Jato.

No último dia 22, Bolsonaro se encontrou com o ministro do TST (Tribunal Superior do Trabalho) Ives Gandra Martins, de perfil conservador e religioso, que já foi cotado para o Supremo no governo Temer –o indicado acabou sendo Alexandre de Moraes.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe

Carreata da Frente Popular lota as ruas de Santa Cruz do Capibaribe em apoio à campanha de Paulo Câmara