O 'jornalismo' não vê o salto de Haddad

Por Fernando Brito, no blog Tijolaço:


Jair Bolsonaro passou de 22 a 24% no Datafolha. Estatisticamente, como já se disse, nada diante da megaexposição depois da facada recebida em rede nacional de TV.

Ciro Gomes, de 10 para 13%, um resultado por certo expressivo, que muito tem a ver com a guinada de seu discurso para a defesa de Lula.

Mas Fernando Haddad dá um salto espetacular, passando de meros 4% para 9% e empatando estatisticamente com o “bolo” formado em segundo lugar pelo próprio Ciro, Marina Silva e Geraldo Alckmin.

É, sem dúvida, o número mais expressivo e diferente nesta rodada de pesquisas.

Afinal, mais que dobrou as intenções de voto em 15 dias.

Mas procure no noticiário e veja se encontra esta informação antes do quarto ou quinto parágrafo e sem qualquer ênfase.

Isso na véspera de ser oficializado como candidato da coligação do PT, avalie só.

Tudo o que possa tirar o impacto deste avanço – que merece bem o nome de disparada – está sendo feito e, claro, inutilmente.

Daqui a pouco os comentaristas políticos – salvo as raras exceções dos que já falam isso agora – vão reconhecer o crescimento inexorável do “candidato do Lula”.

Agora, porém, seu convencionalismo e, por vezes, suas cumplicidades, não lhes permitem afirmar o que está óbvio.

É virtualmente impossível que o empuxo tomado pela candidatura Haddad, ainda mais com sua oficialização, não o empurre mais acima, talvez já no segundo lugar nas próximas pesquisas.

E fogo de morro acima, água de morro abaixo e candidato que dispara ou despenca seguir na trajetória que se percebe é algo incontrolável.

Mesmo pela mídia e pelos comentaristas que, aqui na internet, procuram deixar em segundo plano o que é o dado mais importante da pesquisa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe

Carreata da Frente Popular lota as ruas de Santa Cruz do Capibaribe em apoio à campanha de Paulo Câmara