Marília Arraes quer ser ‘a candidata de Lula’ em Pernambuco e não apenas a neta de Arraes


Foto: Divulgação

Na coluna do Estadão, no JC desta sexta

A definição sobre quem o PSB vai apoiar para presidente da República, com a desistência do ex-ministro do STF Joaquim Barbosa, passa por uma guerra de poder no partido. O PSB de Pernambuco privilegia uma aliança com o presidenciável do PT em troca da retirada da candidatura de Marília Arraes, que hoje faz sombra ao governador Paulo Câmara (PSB) na disputa pela reeleição. Se ela vencer, a ala pernambucana perde o controle da sigla para o grupo do governador paulista Márcio França, que está muito forte e defende o apoio ao tucano Geraldo Alckmin.

O senador escancarou o acordo. Na quarta, defendeu da tribuna do Senado que Marília retirasse sua candidatura em prol da aliança com o PSB. O PT nacional interferiu e adiou a convenção local para o dia 10 de junho. (na verdade, a decisão foi tomada no final de semana passado e não no dia do discurso do senador)

Marília, que é vereadora, desembarcou em Brasília no mesmo dia para contornar o movimento. Ela avalia que vai superar o governador Paulo Câmara quando o eleitorado associá-la como a “candidata de Lula”. Por ora, ainda é a “neta do Arraes”.

No JC desta sexta-feira

No momento em que a candidatura da vereadora Marília Arraes (PT) corre o risco de ser rifada por uma aliança com o PSB, a oposição faz gestos coordenados para possibilitar dois palanques contra o governador Paulo Câmara. Provável candidato da oposição, o senador Armando Monteiro (PTB) assinalou inclusive que um pode apoiar o outro no 2º turno.

“Nós estamos ao lado de Armando e vamos trabalhar para ele estar no segundo turno. Caso isso não aconteça, no segundo turno nós estaremos com a vereadora Marilia Arraes”, afirmou o líder da oposição na Assembleia Legislativa, Silvio Costa Filho à Rádio Jornal. Já o deputado federal Silvio Costa (Avante) levou Marília ao plenário da Câmara para defender a sua candidatura há dois dias.

“Se vierem a ser confirmadas, serão duas candidaturas de oposição. Na hipótese de existirem duas, é natural que sendo ambas de oposição, você tenha um entendimento no segundo turno”, disse Armando.

Em Brasília, Marília Arraes teria recebido uma “enquadrada” da Direção Nacional do PT em relação à candidatura própria, noticiou ontem, o repórter Romualdo de Souza, da Rádio Jornal. Segundo ele, o PT nacional teria alertado Marília de que trabalha por uma aliança prioritária com o PSB no plano nacional que, caso se concretize, terá implicações nos palanques estaduais.

Questionado sobre reservar uma vaga para o senador Humberto Costa (PT) na chapa majoritária, Paulo Câmara disse ontem que tem a intenção de reeditar a Frente Popular nos moldes que ela foi concebida por Eduardo Campos, falecido em 2014. “Temos que entender as questões internas de cada partido. Estamos à disposição para o diálogo com o PT e todos os partidos de esquerda que queiram estar junto conosco para ampliar a Frente Popular”, prometeu.

O deputado federal Bruno Araújo (PSDB) afirmou que a posição de Silvio Filho é natural, pela sua relação política com o PT. Ele foi candidato a vice na chapa do ex-prefeito do Recife João Paulo em 2016. “Ele só erra em cogitar algo que não seja a vitória do nosso candidato”, disse o tucano. Já Mendonça Filho (DEM) disse que não cogita o bloco de oposição fora do 2º turno.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe

Carreata da Frente Popular lota as ruas de Santa Cruz do Capibaribe em apoio à campanha de Paulo Câmara