Onde investir, por Dário Gomes*

“Investimentos”

O mundo moderno está fazendo investimentos, e você?


A sociedade tem recebido, através de muitas instituições, informações importantes acerca de investimento e investidores. Qual o melhor investimento? Quem está pagando as melhores taxas de juros? Onde investir para não se ter prejuízos? Como investir a longo prazo? São perguntas que requerem respostas e o mercado financeiro deve dar à sociedade as devidas repostas. Todos os dias, nos noticiários, ouvimos aceca das taxas e dos índices na bolsa de Valores. Quando os índices de juros aumentam, os investidores aplicam nas instituições financeiras, quando os juros caem, o investimento é aplicado na indústria gerando mais empregos e etc.

Existem, portanto, investimentos a curto, médio e longo prazo. Quem quiser investir para a aposentadoria, com certeza investirá à longo prazo, porém o que precisa investir para a sobrevivência escolherá os de curto e médio prazo, e assim é o mundo dos investidores. Os bancos procuram os investidores e cada dia que se passa aumenta o número daqueles que querem ter uma vida melhor, financeiramente falando.

Porém quero falar-lhes sobre outro investimento, que não depende exclusivamente de dinheiro, mas que precisa de muito mais de tempo e dedicação, o investimento com a família, e mais precisamente com os filhos.

Muitas vezes gastamos tanto (dinheiro) em preparar nossos filhos para o futuro, investimos tanto por eles, contudo não investimos neles, porque não é só o colégio de “alto padrão” que dará a formação que nossos filhos necessitam, somos nós mesmos os responsáveis por isso. O colégio oferece o preparo profissional, a formação necessária para adentrar ao mercado de trabalho, contudo, desde o nascimento passamos por diversas fases de aprendizado que não nos é dado na escola, e sim lar. Entregamos nossos filhos as mais modernas tecnologias, a babá televisão foi, aos poucos substituída pelo babá “Smartphone” e aquele cuidado e contato pessoal, pela babá câmera on line.

É bom lembrar que o sistema eletrônico não tem coração, nem alma, portanto não tem sentimentos, são meros computadores programados para tarefas específicas, e não transmitem a criança o afeto materno, nem ao adolescente o respeito que deve aprender. Rodeamo-nos de tecnologias e desligamo-nos de nossos próprios sentimentos.

Fico, cá com meus botões, a pensar o que será desta geração que está surgindo?. Qual o legado que eles estão recebendo de seus pais? Como seus pais estão investindo neles?

É preciso um pouco mais de paciência, de contato, de amizade. Parar para conviver com os filhos. Correr no parque, ensinar-lhes o valor da vida, ensinar-lhes o respeito ao próximo, ouvi-los e fazer-se ouvido por eles. Investir um pouco mais de tempo, enquanto há tempo para se fazer isso.

Temos ouvido reclamações de pais cujos filhos já não os obedecem. E porque não o fazem? Na grande maioria das vezes está no fato de que investimos muito tempo em tantas coisas, inclusive para darmos o “melhor” para eles e não investimos o nosso melhor neles, pois não há algo mais sublime e cativante e que impõe respeito aos filhos do que o convívio, o ensinar-lhes acerca da vida. 

Temos, nesta geração, o erro de criarmos nossos filhos no ninho, rodeados de todo o conforto que necessitam, e não ensinamos como enfrentarem a vida, o trânsito, os perigos, e não os ensinamos os melhores valores da convivência em sociedade. Deixamo-os dependentes para suprirmos tudo que necessitam, somos meros provedores do sustento e do luxo em que aprenderam a viver. 

Esse tipo de investimento nunca formará cidadãos de bens, esse tipo de investimento criará pessoas vadias, sem formação familiar, e sem progresso, serão grandes conhecedores, por causa dos estudos na escola, mas não saberão o que fazer com eles e se um dia, chegarem a galgar algo na vida, com certeza nunca serão gratos a seus pais por isso, embora possam ter formação superior, não verão nos pais o sentimento que tanto precisavam, serão meros frutos de uma geração que nasce como pintos em chocadeira.

Invistamos, em nossos filhos, nosso tempo e com ele nosso sentimento, nosso amor, nossa correção e com certeza esse investimento nos dará um retorno tão gratificante que poderemos dizer: Valeu a pena investir.

Um abraço e até a próxima se Deus permitir.

*Dário Gomes de Araujo é Evangelista na Igreja Evangélica Assembleia de Deus e atual gestor em São José do Egito.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe

Carreata da Frente Popular lota as ruas de Santa Cruz do Capibaribe em apoio à campanha de Paulo Câmara