MOVIMENTO PRÓ MARÍLIA ARRAES, EM SERRA TALHADA PRÓXIMO DIA 27

Duque embala Marília



O prefeito de Serra Talhada, Luciano Duque (PT), que promove, no próximo dia 27, naquele município, um ato para confirmar o interesse das lideranças sertanejas pela candidatura da vereadora Marilia Arraes ao Governo do Estado, está surpreso com tamanha adesão à iniciativa. De tanto receber manifestações favoráveis e confirmações de lideranças de todas as regiões, foi obrigado a transferir o local da Câmara de Vereadores para um ginásio de esportes.

Segundo ele, o espaço da Câmara ficou pequeno para tamanha demanda e por isso mesmo a decisão de dar um suporte mais adequado para que o brilho e a repercussão sejam bem maiores. Duque está satisfeito e entusiasmado na condição de anfitrião, mas faz a ressalva de que o ato não tem como objetivo colocar a faca no pescoço da executiva estadual para acolher a tese da candidatura própria ou mesmo de prévias, já que existe outro nome colocado – o deputado estadual Odacy Amorim.

“O que nós queremos e temos todo o direito é defender um nome que tem viabilidade, que vem ganhando aderência no Estado e levando o PT a buscar de fato uma saída inteligente e proativa para o partido caminhar em faixa própria". Há rumores – e até conversas extraoficiais também – de que o PT estaria propenso a se realinhar com o PSB – leia-se neste caso o apoio à reeleição do governador Paulo Câmara.

Isso em função de uma imposição da executiva nacional do PT. Candidato ou não ao Planalto, o ex-presidente Lula vai querer interferir em vários estados para ter o PSB como aliado e Pernambuco não é uma ilha. Neste caso, a candidatura de Marília vai por água abaixo, apesar do entusiasmo de muitos adeptos do seu projeto, que ganha aderência também nos movimentos sociais, refratários a todo e qualquer entendimento com o PSB.

De qualquer forma, o ato de Duque, por si só, já dá um balanço no PT, força a discussão da tese da candidatura própria e aponta, igualmente, um novo caminho para o partido, que esteve alinhado ao PSB por uma estratégia bem articulada pelo ex-governador Eduardo Campos. Tira, por fim, o PT do isolamento, podendo atrair, inclusive, o apoio de outros partidos de esquerda. Ao mesmo tempo, Duque força o G-4 - PSDB-PMDB-DEM e PTB - que se tentam a unidade da oposição, a agilizar a escolha do nome entre Armando Neto, Mendonça Filho, Bruno Araújo e Fernando Bezerra Coelho.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe

Carreata da Frente Popular lota as ruas de Santa Cruz do Capibaribe em apoio à campanha de Paulo Câmara