Diogo Moraes critica Governo Federal pela queda de repasses para conclusão da Adutora do Agreste

Representante do Agreste na Assembleia Legislativa de Pernambuco, o deputado estadual Diogo Moraes (PSB) levou à tribuna da Alepe sua preocupação com o andamento das obras da Adutora do Agreste, que estão ameaçadas de interrupção devido ao baixo repasse de recursos por parte do Governo Federal. Na última quinta-feira (30), o socialista criticou a atuação da gestão federal, lembrando que vários pernambucanos atuam em importantes ministérios, o que não garantiu a celeridade da obra. 

O deputado falou após obter informações do presidente da Compesa, Roberto Tavares. Nesta quinta-feira, a imprensa estadual abordou a possível paralisação das obras da Adutora, que tinha previsão de levar água para 81 localidades. “O que acontece hoje é que, dentro dos R$ 360 milhões que foram pactuados para esse ano, só foram repassados um total R$ 67 milhões”, destacou, lembrando que ainda faltam mais de R$ 560 milhões para a conclusão da obra.

Diogo Moraes repassou a informação obtida com Roberto Tavares de que a dívida do Estado com as empresas que executam a obra já chega a R$ 50 milhões e que, por isso, as obras correm o risco de serem interrompidas por parte das executoras do serviço, já que o Governo Federal não está repassando o que havia sido pactuado. O parlamentar lembrou, ainda, que um esforço foi feito pela bancada de deputados federais, que destinaram emendas no total de R$ 164 milhões para a conclusão da obra. “Esse valor foi reduzido a R$ 113 milhões e a gente está vendo a hora de não vir um centavo para esta obra. As próprias empresas mandaram um ofício dizendo que iriam paralisar”, disse, em tom de preocupação. 

O parlamentar também abordou o fato de integrantes do Governo Temer estarem criticando a atuação do governador Paulo Câmara e que, no entanto, não viabilizaram recursos para a conclusão de uma obra tão importante para o Agreste pernambucano. “No ano que a gente tem o maior número de ministro é também o ano com menor repasse para a maior obra hídrica do Agreste. E são ministros agrestinos. Eles querem que continue o sofrimento do povo nordestino, que o povo passe sede comprando água em carro-pipa”, disse. 

Diogo Moraes finalizou o pronunciamento dizendo que ações importantes como esta não podem ser usadas politicamente. “Eu sei que isso é politica, mas a Adutora do Agreste não é política baixa. É política alta para tirar o povo da sede. Eles fazem rondas pelo Agreste, falando mal e achando bom a não concretização de uma obra como esta”, alertou.

Foto: Roberto Soares/Alepe

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe

Carreata da Frente Popular lota as ruas de Santa Cruz do Capibaribe em apoio à campanha de Paulo Câmara