Danilo Cabral diz que FBC Filho ‘confessa culpa’ ao usar dinheiro da privatização para reduzir conta de luz

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil


O deputado federal Danilo Cabral (PSB), presidente da Frente Parlamentar em ‘Defesa’ da Chesf, afirmou que o ministro Fernando Filho (Minas e Energia), ao dizer que vai utilizar recursos da própria venda do setor elétrico para pagar subsídios com o objetivo de reduzir tarifas domésticas, admite que a privatização aumentará as contas de energia dos brasileiros.

“É uma confissão de culpa do ministro, ele está admitindo que a conta de luz aumenta com a venda da Eletrobras. Essa medida, em primeiro lugar vai segurar artificialmente as tarifas e vai reduzir o pretenso lucro que o governo espera auferir com a venda da Eletrobrás”, criticou.

Danilo Cabral disse que estudos na Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) revelaram que a energia subiria até 17%. Na Rádio Jornal, o ministro desmentiu a versão inicial da agência.

O deputado disse que ‘o controle artificial das tarifas’ foi um mecanismo usado pelo governo Dilma Rousseff, bastante reprovada pelos integrantes do atual governo e por integrantes do setor energético.

“A diferença é que os recursos eram investidos no setor público e, agora, passarão para a iniciativa privada. Além disso, esperar que a energia caia de 0,5% a 1% em 2019 é se contaminar pelo espírito natalino e acreditar em Papai Noel”, frisou.

“A atual política do Ministério das Minas e Energia é o aumento de preços. Entre julho e outubro deste ano, além do aumento na energia, houve elevação de preços do gás de cozinha (45%), da gasolina (16%) e do óleo diesel (20%). Isso continuará se repetindo, principalmente com o desejo do governo de se desfazer do patrimônio nacional, como a Eletrobrás. Nossa luta é para mantermos nossa soberania, preservando esse setor tão estratégico para o país nas mãos da União”, disse.

“O ministro Fernando Filho diz que a privatização fará a Eletrobrás ter uma “gestão profissionalizada”. Depois que ele disse que o desastre ambiental de Mariana (MG), que matou 20 pessoas e cuja responsabilidade foi da privatizada Vale, foi uma ‘fatalidade’, desconfio cada vez mais do conceito de profissionalização do ministro.”, provocou.

Danilo Cabral rebateu a afirmação do ministro de que os opositores à privatização buscam palanque político, também na rádio Jornal, nesta terça-feira.

“Não existe politização, estamos defendendo os interesses do Brasil. A Frente é multipartidária, com diversos integrantes da base governista, assim como há governadores aliados do presidente Temer que se posicionaram contra venda de ativos do setor elétrico”, disse.

“O governo sabe que não conta com o apoio de sua base para a privatização da Eletrobrás, tanto que recuou na forma. Eles pretendiam fazer a venda do setor elétrico através de medida provisória, o que feriria a Constituição diretamente. A própria Frente Parlamentar em Defesa da Chesf havia alertado que a Eletrobrás foi criada pela Lei Federal 3.890, de 1961, e só poderia ser vendida por meio de lei específica, com trâmite parlamentar regular. De acordo com o deputado ainda não há informações concretas sobre o projeto de lei que o governo enviará para o Congresso Nacional. A expectativa é de que o texto seja enviado ainda nesta semana”, diz.

Comentários

POSTAGENS MAIS ACESSADAS

FAMILIARES E AMIGOS SE DESPEDEM DO RADIALISTA AGNALDO SILVA

PARA RECORDAR. MATÉRIA QUE FIZ COM AGNALDO SILVA EM 2014

Deputado fala sobre necessidade de movimento jurídico para barrar privatização da Eletrobras

DISTRITO DE PÃO DE AÇÚCAR É DESTAQUE EM REPORTAGEM DO SBT POR CAUSA DA VIOLÊNCIA

PRUDÊNCIO GOMES: "ESTOU À DISPOSIÇÃO DO POLO DE CONFECÇÕES"