STJ manteve afastamento do prefeito de São Lourenço da Mata

Foto: Divulgação


O ministro do STJ, Sebastião Reis, indeferiu a liminar em habeas corpus requerida pela defesa do prefeito de São Lourenço da Mata, Bruno Pereira (PTB).

Dentre os advogados do prefeito, está o ex-ministro da Justiça e também ex-advogado geral da União, José Eduardo Cardozo, advogado da ex-presidente Dilma (PT) no impeachment.

Com auxílio de fontes, o Blog de Jamildo conseguiu a decisão sobre o habeas corpus em Brasília, revelando detalhes da investigação.

O desembargador Odilon de Oliveira, que afastou Bruno, disse ao STJ que o prazo de afastamento “razoável” é de até 180 dias, para permitir a continuidade das investigações. O desembargador do Tribunal de Justiça de Pernambuco disse que é possível que o afastamento seja por tempo maior, se a complexidade das investigações exigir.

A defesa do prefeito, no STJ, alegou que o afastamento usou de critérios genéricos.

O STJ não aceitou estes argumentos. O ministro relator usou para indeferir a liminar as três recentes cautelares expedidas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) suspendendo contratos suspeitos da gestão de Bruno Pereira.

O relator pediu um parecer do Ministério Público Federal, que já está com os autos. Após o parecer, haverá o julgamento do mérito do habeas corpus, por uma turma de cinco ministros.

Para voltar ao cargo, Bruno Pereira precisará do voto de pelo menos 3 ministros, ou um empate da votação.

Na entrevista coletiva em que se defendeu logo após o afastamento, o prefeito teve a irrestrita solidariedade do senador Armando Monteiro (PTB), que disse acreditar plenamente na total inocência do correligionário.

Veja a decisão do STJ expedida na terça-feira (24)

Comentários

POSTAGENS MAIS ACESSADAS

FAMILIARES E AMIGOS SE DESPEDEM DO RADIALISTA AGNALDO SILVA

PARA RECORDAR. MATÉRIA QUE FIZ COM AGNALDO SILVA EM 2014

Deputado fala sobre necessidade de movimento jurídico para barrar privatização da Eletrobras

DISTRITO DE PÃO DE AÇÚCAR É DESTAQUE EM REPORTAGEM DO SBT POR CAUSA DA VIOLÊNCIA

PRUDÊNCIO GOMES: "ESTOU À DISPOSIÇÃO DO POLO DE CONFECÇÕES"