Dinheiro encontrado em ‘bunker’ de Geddel chega a R$ 33 milhões

Quantia encontrada em um apartamento supostamente ligado ao ex-ministro representa a maior apreensão de dinheiro vivo da história da PF

Da Veja.com

O ex-ministro da Secretaria de Governo Geddel Vieira Lima 
(Ruy Baron/Valor/Folhapress)

O dinheiro apreendido no apartamento que supostamente estaria ligado ao ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB) já chegou a 33 milhões de reais. É a maior apreensão de dinheiro vivo da história da Polícia Federal (PF). A quantia em espécie foi localizada dentro de caixas e malas numa residência que, segundo a PF, servia de “bunker” para o peemedebista. As autoridades chegaram ao local, em Salvador, a partir das provas que foram coletadas nas últimas fases da Operação Cui Bono?. A ação desta terça-feira foi batizada de Tesouro Perdido.

O “bunker” de Geddel foi alugado pelo ex-ministro para guardar pertences de seu pai, falecido no ano passado. O apartamento seria de um homem chamado Silvio Silveira, que o teria repassado ao peemedebista com esse fim. A PF recebeu uma ligação anônima no dia 14 de agosto asseverando que, no último semestre, Geddel estaria utilizando o imóvel, de fato, para guardar caixas com documentos.

Geddel ganhou o direito de cumprir prisão domiciliar em Salvador no dia 12 de julho. Ele foi preso no início daquele mês na Cui Bono?, um desdobramento da Operação Catilinárias, que é derivada da Lava Jato e foi lançada em dezembro de 2015. Ela foi desencadeada a partir de um celular encontrado na casa do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB), então presidente da Câmara, que registrava uma troca de mensagens dele com Geddel, ex-ministro da Secretaria de Governo de Michel Temer (PMDB).

Segundo o Ministério Público Federal, Geddel, Cunha e o doleiro Lúcio Funaro, contando em alguns momentos com a participação de Fábio Ferreira Cleto, ex-vice-presidente da Caixa Econômica Federal, desviaram “de forma reiterada recursos públicos a fim de beneficiarem a si mesmos, por meio do recebimento de vantagens ilícitas, e a empresas e empresários brasileiros, por meio da liberação de créditos e/ou investimentos autorizados pela Caixa Econômica Federal em favor desses particulares”.

Dinheiro encontrado em apartamento que pertenceria ao ex-ministro Geddel Vieira Lima (Divulgação/Divulgação)

Réu

Geddel é réu por supostamente ter atuado para evitar a delação premiada de Funaro. O doleiro, que teve a sua colaboração homologada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) nesta terça, é considerado um homem-bomba para políticos do PMDB por conhecer como poucos a engrenagem da organização criminosa que atuava em esquemas ilícitos na Caixa.

De acordo com o MPF, Geddel, que sabia do poder de fogo de Funaro, atuou deliberadamente para dificultar e atrasar as investigações de crimes praticados por empresários, empregados públicos com ingerência na Caixa, agentes políticos e operadores financeiros.

Ele teria tentado constranger Funaro para impedir o acordo de delação. Embora não tivesse proximidade com a esposa do doleiro, Raquel Pitta, Geddel passou a telefonar recorrentemente para ela, sondando sobre a disposição do operador de revelar o que sabia às autoridades. De 1º de junho de 2016, data de prisão de Funaro, até 3 de julho de 2017, quando o próprio Geddel foi detido por ordem da Justiça, as sondagens do ex-ministro foram frequentes. De maio a junho deste ano, foram dezessete contatos telefônicos em dezenove dias.

Comentários

POSTAGENS MAIS ACESSADAS

FAMILIARES E AMIGOS SE DESPEDEM DO RADIALISTA AGNALDO SILVA

PARA RECORDAR. MATÉRIA QUE FIZ COM AGNALDO SILVA EM 2014

Deputado fala sobre necessidade de movimento jurídico para barrar privatização da Eletrobras

DISTRITO DE PÃO DE AÇÚCAR É DESTAQUE EM REPORTAGEM DO SBT POR CAUSA DA VIOLÊNCIA

PRUDÊNCIO GOMES: "ESTOU À DISPOSIÇÃO DO POLO DE CONFECÇÕES"