A mensagem que a Coreia do Norte quis passar com seu mais sério teste de míssil até agora

Da BBC Brasil

No Japão, cidades entraram em alerta: pela primeira vez, míssil norte-coreano se mostrou capaz de levar armamento nuclear

O míssil disparado pela Coreia do Norte sobre a região japonesa de Hokkaido na manhã desta terça-feira (noite de segunda-feira no Brasil) deixou moradores em alerta e está sendo considerado o mais sério teste balístico realizado até o momento pelo regime de Pyongyang.

Apesar de não ser o primeiro lançamento norte-coreano sobre o Japão, acredita-se que tenha sido o primeiro com capacidade de armamento nuclear. Por isso, é visto por analistas como a maior provocação de que se tem notícia por parte dos norte-coreanos, em meio a uma escalada nas tensões regionais.

O premiê japonês, Shinzo Abe, considerou o episódio uma ameaça "sem precedentes" ao seu país.

O míssil, que caiu sobre as águas da costa leste japonesa, é um modelo Hwasong-12, segundo análises preliminares. Ele já havia sido testado em um lançamento realizado em maio.

E por que a Coreia do Norte resolveu dispará-lo neste momento?

Em primeiro lugar, para demonstrar força e enviar a mensagem de que o regime norte-coreano não se sente intimidado pelas ameaças americanas, explica o correspondente da BBC News em Tóquio, Rupert Wingfield-Hayes.

Além disso, o lançamento desta terça seria uma forma de testar seu míssil em uma trajetória mais realista, ao mesmo tempo em que coloca as relações EUA-Japão na berlinda.

"Eles (Coreia do Norte) querem mostrar que estão seguindo adiante com seu programa de mísseis e de armas nucleares, sem serem afetados pela pressão internacional", diz à BBC Doug Paal, do Centro Carnegie Endowment for International Peace.

Para Paal, teria sido ainda mais grave se a Coreia tivesse escolhido Guam - território americano no oceano Pacífico - em vez do Japão como alvo.

"Se o teste (de mísseis) tivesse sido perto de Guam, colocaria muita pressão para que (o presidente americano Donald) Trump respondesse", afirmou - Trump havia dito anteriormente que Pyongyang se veria diante de "fogo e fúria" se atacasse Guam.

Ainda assim, muitos já veem o avanço norte-coreano como um sinal de que as opções diplomáticas estão se esgotando.

Reunião de emergência

Kim Jong-un, líder da Coreia do Norte: 'País quer mostrar que está seguindo adiante com seu programa de mísseis e de armas nucleares, sem ser afetado pela pressão internacional', diz analista

Na ONU, a embaixadora americana Nikki Haley disse que "algo sério tem de acontecer" em resposta ao lançamento norte-coreano, chamado de "inaceitável".

O Conselho de Segurança das Nações Unidas deverá realizar uma reunião de emergência ainda nesta terça para discutir o caso, e novas sanções contra Pyongyang podem ser implementadas - lembrando que resolução prévia do órgão proíbe a Coreia do Norte de desenvolver qualquer tipo de armas nucleares.

Trump havia dito mais cedo que "todas as opções" estão sendo analisadas, dando a entender que Washington não descarta uma ação militar na Coreia do Norte.

O Pentágono, por sua vez, disse que a diplomacia ainda é a "opção principal" para os Estados Unidos.

Na China - a principal aliada de Pyongyang -, o porta-voz da Chancelaria afirmou que a crise está chegando a um "ponto crítico", que ainda pode abrir as portas para um diálogo pela paz.

Já a Coreia do Norte defendeu seu direito de tomar "duras contramedidas" em resposta ao que chama de "agressão americana", em referência aos exercícios militares conjuntos realizados por EUA e Coreia do Sul.


'Audacioso'


O disparo norte-coreano fez com que diversas cidades do norte do Japão entrassem em alerta, com sirenes e alertas via alto-falante.

Até agora, os disparos norte-coreanos sobre o país haviam levado apenas supostos satélites. Nesta terça, porém, o Hwasong-12 foi lançado com capacidade de carregar armamento nuclear, segundo especialistas.

"É algo extremamente audacioso, provocativo e proibido sob a lei internacional", explica à BBC John Park, pesquisador do Grupo de Trabalho de Coreia na Harvard Kennedy School.

O ex-embaixador americano na Ásia Christopher R Hill, ex-negociador com a Coreia do Norte, afirmou pelo Twitter que foi o "mais sério lançamento de míssil" já realizado por Pyongyang.

É também a primeira vez que se realiza um disparo do posto de Sunan, perto de Pyongyang - local usado pela primeira vez, o que significa que a Coreia do Norte pode estar expandindo seus pontos de lançamento ou que poderia estar tentando despistar observadores internacionais.

Analistas acreditam que o programa nuclear e armamentista norte-coreano está avançando a um ritmo alarmante.

"O país está conduzindo testes de mísseis de alcance intermediário ou intercontinental a cada quatro a seis semanas", acrescenta Park. "Isso é preocupante sob qualquer perspectiva, sobretudo para um país que geralmente é subestimado quanto a suas capacidades."

Comentários

POSTAGENS MAIS ACESSADAS

FAMILIARES E AMIGOS SE DESPEDEM DO RADIALISTA AGNALDO SILVA

PARA RECORDAR. MATÉRIA QUE FIZ COM AGNALDO SILVA EM 2014

Deputado fala sobre necessidade de movimento jurídico para barrar privatização da Eletrobras

DISTRITO DE PÃO DE AÇÚCAR É DESTAQUE EM REPORTAGEM DO SBT POR CAUSA DA VIOLÊNCIA

PRUDÊNCIO GOMES: "ESTOU À DISPOSIÇÃO DO POLO DE CONFECÇÕES"