Justiça autoriza casal a cultivar maconha em casa para tratamento medicinal

Vladimir Platonow - Repórter da Agência Brasil

Planta de maconha - Divulgação/Arquivo/Polícia Federal

A Justiça do Rio de Janeiro autorizou um casal a cultivar maconha em casa para o tratamento de uma doença crônica de sua filha. A decisão confirma uma liminar concedida em dezembro do ano passado.

Margarete Brito e Marcos Lins obtiveram um habeas corpus preventivo que proíbe qualquer ato contra sua liberdade em razão do cultivo e processamento da maconha em sua residência.

Segundo laudos médicos, a menina teve redução de até 60% de suas crises convulsivas após a utilização, sob a supervisão médica, de extrato artesanal da erva.

Outras decisões judiciais parecidas têm sido proferidas pelo país. Um dos usos do canabidiol, extraído da maconha, é no controle de crises convulsivas de crianças. O produto pode ser importado, mas o custo é elevado. Desde janeiro de 2015, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) liberou o uso medicinal de produtos à base de canabidiol.

Edição: Luana Lourenço

Comentários

POSTAGENS MAIS ACESSADAS

PARENTES E AMIGOS DÃO O ÚLTIMO ADEUS A SEU HELENO

HELINHO ARAGÃO FALA SOBRE O AUXÍLIO ALIMENTAÇÃO APROVADO PELA CÂMARA DE SANTA CRUZ DO CAPIBARIBE

A FEIRA DE ANIMAIS DE CACIMBA DE BAIXO SUPERA EXPECTATIVAS

PREFEITO EDSON FALTA A AUDIÊNCIA E CARLINHOS DIZ QUE O MOTIVO FOI MEDO