Para Tadeu Alencar, licença do PSB pode ser alternativa para Fernando Filho

Deputado federal acredita ser possível que o ministro continue no Governo,mas sem representar o PSB

Por: Márcio Didier
Do Blog da Folha

Deputado federal Tadeu Alencar (PSB-PE) - Foto: Rafael Furtado/Folha PE

Em meio aos desencontros entre a direção do partido e a bancada do PSB na Câmara em relação ao Governo Michel Temer, o deputado federal Tadeu Alencar (PE) avaliou que a legenda sairá “unida e melhor” desse processo.

Apesar de afirmar que quem não concordar com a linha do partido, o parlamentar ponderou que o ministro das Minas e Energia, Fernando Filho, não precisa deixar a sigla, mas acrescentou que ele poderia pedir uma licença da legenda enquanto estivesse no cargo.

“Se ele entende que deve continuar, que o Governo que está aí tem a confiança da sociedade, ele deve continuar. Agora, ele não pode continuar representando o PSB no ministério. Ele pode se licenciar. É uma saída. Por que não?”, posicionou-se Tadeu Alencar, sobre o ministro, em entrevista à Rádio Folha FM 96,7.

O parlamentar socialista lembrou o caso da hoje deputada federal Luiza Erundina. Em 1993, ela foi convidada pelo então presidente transitório Itamar Franco para ser a ministra-chefe da Secretaria da Administração Federal. Contrariando a posição do PT, legenda à qual pertencia Erundina. Uma das diferenças dos casos é que foi o PT a suspendeu de todas atividades partidárias por um ano.

“(Erundina assumiu) em circunstâncias diferentes, porque o governo tinha a confiança da população. Acho que pode ser uma solução. Mas friso que é uma situação bem diferente do Governo Itamar”, ponderou o socialista.

A posição do parlamentar socialista segue a linha adotada pelo governador Paulo Câmara, que nessa quinta-feira (25) defendeu uma solução negociada para que Fernando Permaneça no partido e no ministério.

Tadeu também criticou a postura da líder da sigla na Câmara, Tereza Cristina (MS), que por mais de uma vez contrariou a posição da direção nacional, principalmente em relação às reformas do presidente Michel Temer. Na última quarta-feira (24), a líder socialista classificou de “baderneiros” os manifestantes que protestavam contra as reformas na Esplanada dos Ministérios.

Condenando firmemente a postura dos que atacaram os prédios dos ministérios, Tadeu acrescentou, no entanto, que não pode colocar todos na mesma vala. Segundo ela, a “imensa maioria” estava ali para protestar contra as reformas.

“A líder, ao invés de estar defendendo um decreto presidencial (que autorizou o uso das Forças Armadas no Distrito Federal) que foi revogado pelas suas impropriedades, ela deveria estar defendendo a posição do partido”, criticou Tadeu, acrescentado que quando ela fez uma referência à decisão do partido que “mais parece um ônus”.

Sobre o decreto editado na quarta-feira (24), que determinava o uso das Forças Armadas para defender a Capital Federal até o próximo dia 31, Tadeu Alencar o classificou como “equivocado”, e que caberia apenas à Polícia Militar cuidar da segurança na manifestação.

“Foi claramente equivocado. Durou 24 horas e felizmente o bom senso prevaleceu. O decreto foi ruim até para o Governo. Trouxe uma pauta que, agora, tem que ficar se explicando”, avaliou o parlamentar.

Sobre o Governo de Michel Temer, Tadeu Alencar acredita que ele não continuará no cargo, mas acredita que ele não renunciará. Se essa fosse a solução, ele acredita que o caminho seria eleição indireta.

No entanto, ele voltou a defender a aprovação da PEC do deputado Miro Teixeira (Rede-RJ), que prevê eleições diretas para presidente. Tadeu lembrou que se for aberto o processo de impeachment contra o presidente Temer, a tramitação do processo coincidirá com a o tempo de aprovação da PEC.

Sobre o perfil do eventual sucessor de Temer, que levaria o País até as eleições de 2018, o socialista afirma que o principal requisito é que seja um nome que uma o Brasil.

“Não pode ser de um partido ou de outro, aumentando a tensão no Brasil, essa divisão, essa intolerância. Tem que ser alguém que pacifique, que dialogue com os dois lados, e que se comprometa om a agenda mínima. E não com a agenda máxima de reforma. Uma agenda mínima para levar o Brasil até 2018. Aí sim você tem um grande debate sobre o futuro do País”, pontou Tadeu Alencar, à Rádio Folha FM, 96,7.

Comentários

POSTAGENS MAIS ACESSADAS

FAMILIARES E AMIGOS SE DESPEDEM DO RADIALISTA AGNALDO SILVA

PARA RECORDAR. MATÉRIA QUE FIZ COM AGNALDO SILVA EM 2014

Deputado fala sobre necessidade de movimento jurídico para barrar privatização da Eletrobras

DISTRITO DE PÃO DE AÇÚCAR É DESTAQUE EM REPORTAGEM DO SBT POR CAUSA DA VIOLÊNCIA

PRUDÊNCIO GOMES: "ESTOU À DISPOSIÇÃO DO POLO DE CONFECÇÕES"