Cesta básica de Caruaru registra maior aumento desde o ano passado

Alunos do curso de Ciências Contábeis e de Gestão Financeira Do Centro Universitário do Vale do Ipojuca (Devry|UNIFAVIP), divulgaram pesquisa referente ao custo da cesta básica para a cidade de Caruaru-PE, pertencente ao mês de Março de 2017. O estudo foi realizado baseado na metodologia do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócioeconômicos).

De acordo com a pesquisa, o preço da cesta básica caruaruense no mês de março foi de R$ 273,80, registrando um aumento de R$ 13,43 (5,16%), em relação ao mês de fevereiro. Este aumento é o maior do ano até agora e o maior desde setembro do ano passado, que apresentou crescimento de 8,39% em relação ao mês anterior.

Os alimentos que significaram o maior peso na determinação do valor total da cesta foram a carne (20,76%), os legumes (16,33%), o pão (15,09%) e a banana (14,20%). Para comprar a quantidade necessária de carne do mês, o morador de Caruaru desembolsou em média R$ 56,84 no mês de março. Com relação aos outros itens que também pesaram na cesta, o valor gasto foi, em média, de: R$ 44,71 para os legumes, R$ 41,33 para o pão, e R$ 38,89 para a banana.

Apesar do aumento, a cesta básica de Caruaru continua apresentando menor valor que a de Recife. Este mês, a diferença entre elas foi de R$ 82,41. A cesta mais cara do país continua sendo a de Porto Alegre (R$ 437,22) e a cesta mais barata foi a de Rio Branco (R$ 323,34). Recife passou a ocupar a quarta posição, entre as cestas mais baratas do Brasil (R$ 356,21). Em Janeiro, Recife ocupava o segundo lugar no ranking das mais baratas. As maiores altas estão em capitais do Nordeste: Teresina (3,90% - R$ 391,15), Natal (3,54% - R$ 364,12), Recife (3,53% - R$ 356,21), São Luís (2,77% - R$ 364,28) e João Pessoa (2,59% - R$ 374,18).

Comprar em supermercados continua sendo a opção mais barata para o consumidor de Caruaru, que gastaria, em média, R$ 0,12 a mais comprando em mercadinhos, de acordo com o levantamento. Com relação ao salário mínimo, a pesquisa indica que a família caruaruense deveria receber, em março, o valor de R$2.300,16 para a aquisição dos gêneros alimentícios básicos e de outros itens essenciais, para poder garantir a sobrevivência digna. Este valor representa 2,45 vezes mais que o salário mínimo atual, de R$ 937,00.

Utilizando dados do Ministério do Trabalho, que considera a jornada oficial de trabalho de 220 horas mensais, a pesquisa concluiu que o trabalhador de Caruaru utilizou em março 31,03% de todo o seu tempo de trabalho só com as despesas de alimentação. Em março, considerando o salário mínimo líquido, o trabalhador caruaruense desembolsou 31,76% da sua renda apenas com as despesas de alimentação.

Comentários

POSTAGENS MAIS ACESSADAS

CANDIDATURA AVULSA. GEO CALDAS PODE SE LANÇAR CANDIDATO A PRESIDENTE

JUNIOR DE SINDÔ SERÁ VELADO NA CÂMARA DE SANTA CRUZ DO CAPIBARIBE

COMPOSIÇÃO DA CÂMARA PODE PASSAR DE 17 PARA 10 VEREADORES, EM SANTA CRUZ DO CAPIBARIBE

VEREADOR E ESPOSA SÃO ASSALTADOS EM FRENTE A RÁDIO, NA CIDADE DE SANTA CRUZ DO CAPIBARIBE

Escola Municipal Vereador Ciríaco Ramos de Lima inicia formaturas de conclusão da Educação Infantil