Devagar com o andor das ilusões sobre a lista Janot, por Tereza Cruvinel*


Tenho lido por aí que as delações da Odebrecht e a lista de Janot são um horror mas são portadoras de esperança. Horror porque revelam que toda a elite política, desde sempre, foi alugada por empresários. Que a corrupção é uma prática geral e antiga e não foi inventada pelo PT. Mas, dizem editoriais e colunas, o mar de lama traz a esperança de mudança na cultura e nas práticas políticas, elevando a qualidade da nossa democracia um tanto fake. Quando os políticos e as eleições eram comprados, temos um simulacro de democracia. Contra estas ilusões, é preciso atentar para as consequências da lista de Janot. Segundo os melhores conhecedores do STF, nenhum dos nomes listados, se denunciado, será julgado antes de quatro anos.

Não é a condenação ou a prisão dos envolvidos que produzirás mudanças no sistema político, claro. O que move uma sociedade é a consciência de seu povo, e o nosso está sentindo a ficha cair. O golpe, agora está bem claro, foi mesmo uma tentativa de salvar toda esta gente que agora pode ser investigada. E todos são iguais perante a corrupção e o caixa dois. Mas quem promove as mudanças formais no sistema são seus agentes políticos. A turma da lista. E a turma, por ora, continuará em seus postos, dando as cartas, sabedora de que no STF os processos vão andar com a lentidão dos cágados. Vão aprovar uma reforma política de emergência e vão fixar regras para a eleição do ano que vem. Vão anistiar-se do caixa dois. E, se o povo não impedir, vão se eleger e se reeleger no ano que vem.

Quando o Supremo julgar a lista de Janot, já terá havido o rodízio de sempre nas elites. Os que agora caíram nos maus lençóis da Lava Jato vão colocar filhos e aliados em seus lugares, seja no Congresso, seja nos governos estaduais. E a vida seguirá. Teremos a ilusão de que tudo mudou. Mudou para que tudo possa continuar sendo o que sempre foi.

Para não parecer ceticismo diante da lista de Janot, recordemos os passos que agora serão dados.
  • O ministro Fachin autorizará os pedidos de investigação solicitados. Todos, alguns ou quase todos.
  • Os que forem investigados, depois de seis a oito meses poderão ser indiciados.
  • Mais um semestre se passará para que sejam denunciados.
  • O STF não tem prazo para acolher ou rejeitar a denúncia. Costuma levar até dois anos.
  • Os que forem denunciados vão se tornar réus, e só nesta condição ficarão proibidos de disputar eleições e de ocupar alguns postos. O STF pode levar pelo menos mais um ano para isso.
  • Finalmente, virá o julgamento. Terão se passado pelo menos quatro anos. Alguns poderão ser condenados. Será uma para o individuo, o agente político mas seu lugar no sistema já terá sido ocupado por outro da mesma classe, com os mesmos interesses. 
Pode não ser este o desfecho mas este depende de outro agente, o povo. As manifestações de ontem sugerem que a indignação letárgica começou a ser trocada pelas mobilização.

TEREZA CRUVINEL*
Colunista do 247, Tereza Cruvinel é uma das mais respeitadas jornalistas políticas do País

Comentários

POSTAGENS MAIS ACESSADAS

Bartol Neves assumirá mandato em Brejo da Madre de Deus

PROJETO PARA QUE AS UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE TENHAM O HORÁRIO ESTENDIDO ATÉ AS 20 HORAS É APROVADO NA CÂMARA DE VEREADORES

BRUNO ARAÚJO: 'ESTOU PRONTO PARA ACEITAR ESSA MISSÃO'

MARÍLIA ARRAES NESTA QUINTA-FEIRA EM SANTA CRUZ DO CAPIBARIBE

"FICA EU E O TAMBORETE"

Feira do Sítio Cacimba de Baixo movimenta a Zona Rural de Santa Cruz do Capibaribe