COMANDANTE DA PM E CHEFE DA POLÍCIA CIVIL DEIXAM O CARGO EM PERNAMBUCO

Delegado Antônio Barros e coronel Carlos D'Albuquerque foram destituídos das funções
(Foto: Reprodução/TV Globo)
Coronel Carlos D'Albuquerque e delegado Antônio Barros foram destituídos nesta sexta-feira (17). Novos nomes ainda vão ser anunciados pelo governador.

Por G1 PE

Delegado Antônio Barros e coronel Carlos D'Albuquerque foram destituídos das funções (Foto: Reprodução/TV Globo)

Às vésperas do carnaval, o comandante da Polícia Militar, coronel Carlos D'Alburque, e o chefe da Polícia Civil, delegado Antônio Barros, foram retirados das chefias nesta sexta-feira (17). O G1 apurou que os nomes dos novos substitutos devem ser anunciados até o fim da tarde pelo Governo de Pernambuco.

O estado vem registrando números crescentes de violência. Os dois comandantes das corporações vinham enfrentando pressão das entidades que representam os policiais civis e militares desde o ano passado. A revisão dos salários e as condições de trabalho foram uma reclamação constante das entidades.

Desde dezembro, policiais militares vem realizando uma operação-padrão como forma de protesto. Em janeiro deste ano, a Secretaria de Defesa Social (SDS), registrou 479 pessoas assassinadas no estado, uma média de 15 por dia.

O governo registrou, nos primeiros 31 dias do ano, 196 assaltos a ônibus no Grande Recife, média de seis por dia. O número diverge do computado pelo Sindicato dos Rodoviários, 526 crimes nos primeiros 45 dias do ano, o que significa uma média de 11 a cada 24 horas.

Reajuste

O projeto que prevê aumentos entre 25% e 40% para policiais e bombeiros militares de Pernambuco foi publicado no Diário Oficial desta sexta-feira (17), após ser sancionado pelo governador Paulo Câmara. Foi publicado também o aumento da remuneração dos profissionais através do Programa de Jornada Extra de Segurança (PJES).

Além de propor correções nos salários nos meses de maio de 2017 e abril e dezembro de 2018, a lei nivela os salários dos militares com a Polícia Civil. De acordo com o governo do estado, o reajuste representa um acréscimo de R$ 303 milhões na folha de pagamento de 2017.

Apesar de o governador alegar que a proposta atende às reivindicações dos PMs e bombeiros, os profissionais têm demonstrado, por meio de manifestações, o descontentamento com o percentual oferecido pelo estado. Atuando em Operação Padrão desde dezembro de 2016, os profissionais alegam que os valores não atendem aos anseios da tropa e ainda se queixam de más condições de trabalho.

Durante dois dias de votação na Alepe, os profissionais se reuniram do lado de fora da casa para esperar o desfecho da votação. Na terça (14), dia da votação em primeiro turno, a categoria recebeu a notícia da aprovação do projeto aos gritos de “não vai ter Galo”, sinalizando que a segurança do carnaval de Pernambuco seria comprometida devido aos votos de 32 deputados estaduais, favoráveis à proposta.

Comentários

POSTAGENS MAIS ACESSADAS

Bartol Neves assumirá mandato em Brejo da Madre de Deus

Bitcoin só perde para o Magazine Luiza em valorização em 2017

NA MADRUGADA – NO INTUITO DE MARCAR CONSULTA, GRUPO PERNOITA NAS CALÇADAS, EM SANTA CRUZ DO CAPIBARIBE

Armando diz que especulações sobre chapa são precipitadas