Servidores do MPPE recebem, hoje, proposta da PGJ sobre reajuste salarial

Eles irão se mobilizar no térreo do edifício Roberto Lira, sede do MPPE, para receber o posicionamento final do procurador-geral.

Os servidores do Ministério Público de Pernambuco (MPPE) se reúnem hoje, no final da tarde, em mais uma assembleia para deliberar sobre os passos que serão dados na campanha pelo reajuste salarial referente ao ano de 2016. Isso porque a categoria aguarda desde maio uma posição do procurador-geral de Justiça Carlos Augusto Guerra sobre o assunto. Hoje, está marcado para às 15h30, reunião com as partes, onde será apresentada proposta pelo MPPE. A assembleia acontece por volta das 17h, na sede do Sindicato, na Praça da Independência, no bairro de Santo António . “Destacando que a reunião e a assembleia de hoje não tratarão sobre greve, mas sim sobre a apresentação de proposta pela gestão e a deliberação se iremos ou não aceitar a proposta”, explica Fernando Ribamar, presidente do Sindicato dos Servidores Públicos de Pernambuco (Sindsemppe).

No mês de setembro, foi a primeira vez na história do Sindicato que os trabalhadores paralisaram as atividades, por duas horas, em busca de respostas para os pleitos levados e discutidos com o órgão nos últimos meses. Fernando ressalta que as informações do MPPE no Portal da Transparência indicam que ainda há dinheiro no orçamento 2016 que permitiria o reajuste salarial, direito que é garantido por lei. “Se, de fato, esse dinheiro não existe, nós queremos que seja provado que não há recursos. Mas as informações que nós temos, inclusive com números expostos no Portal da Transparência, mostram que há, sim, dinheiro para atender o nosso pleito”, explica Fernando.

Historicamente, o reajuste acontece no mês de maio. Durante assembleia organizada pela Federação Nacional dos Trabalhadores dos Ministérios Públicos Estaduais (Fenamp), há quatro meses, os sindicatos presentes elaboraram um ofício solicitando o reajuste. Estados como o Piauí, Paraíba, Paraná e Rio Grande do Sul já tiveram a demanda atendida. O reajuste é garantido pela Constituição Federal, de acordo com a resolução número 53 do Conselho Nacional do Ministério Público, que determina a reposição da inflação anual. “No ano passado, nós tivemos um reajuste de apenas 8%, quando a inflação foi de quase 11%, ou seja, ficou negativo para os trabalhadores”, diz Fernando Ribamar. Ele explica que o procurador-geral de Justiça Carlos Augusto Guerra afirmou não ter condições de se posicionar sobre o assunto. “Já entregamos o ofício e recebemos a resposta de que estavam esperando uma melhora nas contas do Estado para que houvesse uma disponibilidade orçamentaria para o reajuste”, continuou Fernando.

Porém, de acordo com Sindsemppe, o reajuste salarial não iria inviabilizar financeiramente o MPPE já que apenas 30% da folha são recursos destinados aos servidores. “Seria um acréscimo de apenas 4% na folha. Ressaltamos que não se trata de aumento salarial. Existe uma determinação constitucional que garante o reajuste, que é a reposição inflacionária para que seja mantido o poder de compra. Nós vamos apresentar o levantamento de dados com o real impacto nas contas e provar que é viável autorizar o reajuste”, afirma.

Comentários

POSTAGENS MAIS ACESSADAS

Bartol Neves assumirá mandato em Brejo da Madre de Deus

PROJETO PARA QUE AS UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE TENHAM O HORÁRIO ESTENDIDO ATÉ AS 20 HORAS É APROVADO NA CÂMARA DE VEREADORES

BRUNO ARAÚJO: 'ESTOU PRONTO PARA ACEITAR ESSA MISSÃO'

MARÍLIA ARRAES NESTA QUINTA-FEIRA EM SANTA CRUZ DO CAPIBARIBE

"FICA EU E O TAMBORETE"

Feira do Sítio Cacimba de Baixo movimenta a Zona Rural de Santa Cruz do Capibaribe