Ex-prefeita de Natal é condenada a 16 anos de prisão

Por Carlos Madeiro
Colaboração para o UOL, em Maceió

Frankie Marcone/Divulgação

A ex-prefeita de Natal Micarla de Souza

A ex-prefeita de Natal Micarla de Sousa foi condenada a 16 anos, seis meses e 10 dias de prisão, em regime inicialmente fechado, por chefiar desvio de recursos da saúde e por associação criminosa.

A ex-prefeita comandou a capital potiguar entre 2009 e 2012 pelo PV e informou que vai recorrer da decisão da 2ª Vara Federal de Natal. Ela poderá aguardar o recurso em liberdade.

Além dela, outras oito pessoas que teriam participado do esquema também foram condenadas com penas menores, de sete a 12 anos de prisão.
Para condenar os réus, o juiz Walter Nunes acolheu os argumentos do MPF (Ministério Público Federal), que acusou o grupo de desviar R$ 24,4 milhões de recursos federais e do município, entre outubro de 2010 e junho de 2012, ao terceirizar a gestão da saúde.

Segundo a denúncia o esquema começou com o envio os servidores de confiança de Micarla ao Rio de Janeiro para fechar parceria e contratar sem concorrência uma associação responsável de serviços.

O objetivo seria de indicar apadrinhados políticos para ocupar os postos de trabalho das UPAs e das AMEs. O valor de R$ 24,4 milhões foi o total pago a essa empresa no período.

O juiz alegou na sentença que Micarla agiu "de forma estratégica e inteligente" e foi "peça fundamental na orquestração do esquema". "Ficou à surdina, enquanto os demais acusados do grupo político agiam e se expunham em seu nome", diz.

A sentença também cita que toda a equipe que executou o esquema foi nomeada por ela, que sempre defendeu a terceirização da saúde.

"Micarla não apenas foi a mãe da ideia de entregar a gestão das AMEs [Ambulatórios Médicos Especializados] e da UPA [Unidade de Pronto Atendimento]/Pajuçara ao Terceiro Setor, explanada como promessa na sua campanha da eleição para o cargo de prefeita, como armou o xadrez e posicionou as peças nos locais estratégicos para que o esquema funcionasse, tendo antes, ainda na preparação da engrenagem", afirma.

Sobre o esquema, o juiz disse que "as irregularidades e o desvio de recursos na execução do contrato foram tão evidenciados durante a instrução do presente processo, que os acusados, em suas razões finais, não refutaram que efetivamente fatos dessa natureza tenham efetivamente ocorrido."

Micarla vai recorrer

O advogado da ex-prefeita, Flaviano Gama, afirmou que vai recorrer da decisão por considerá-la injusta.

"Não há qualquer fator indiciário. Foram quebrados sigilos telefônico, telemático e fiscal de todos os envolvidos e, diferente de outros, ninguém veio a apontar que ela tinha qualquer conhecimento das irregularidades. Inclusive ela tomou ações de coibir qualquer tipo de desvio e até reteve pagamentos da empresa. Como ela estaria em um esquema e seguraria o pagamento? Esses argumentos foram ignoradas na sentença, mas não temos dúvida que ela será reformada em segundo grau", disse.

O advogado disse que, durante toda a instrução do processo, nenhum réu ou testemunha colocou o nome dela como envolvida no esquema. Também afirmou que a ex-prefeita recebeu a condenação com surpresa. "Ela não esperava isso. Mas depois que leu e viu que nossos argumentos foram completamente ignorados ficou mais tranquila de que vamos reverter no Tribunal Regional Federal", afirmou.

Comentários

POSTAGENS MAIS ACESSADAS

Bartol Neves assumirá mandato em Brejo da Madre de Deus

Bitcoin só perde para o Magazine Luiza em valorização em 2017

Líder do PT confirma nome de Marília Arraes em 2018 e diz que Fernando Filho não tem chance

NA MADRUGADA – NO INTUITO DE MARCAR CONSULTA, GRUPO PERNOITA NAS CALÇADAS, EM SANTA CRUZ DO CAPIBARIBE